A arte de entender a mente musical dos bebês
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A arte de entender a mente musical dos bebês

Ricardo Lombardi

15 de julho de 2008 | 06h35

“Nas últimas semanas, tenho falado com especialistas para aprender a respeito das novas fronteiras de pesquisas sobre música, e tenho feito algumas experiências, ajudado pelo meu filho, Jonah. Os resultados sugerem tanto que os bebês têm muito mais juízo musical do que pensamos, quanto que a música que tocamos para eles pode ser exatamente o que eles não precisam estar escutando”. Essa é uma tradução bem livre de um trecho de uma interessante reportagem publicada pelo Boston Globe (e que poderia ser traduzida por algum jornal para o português, porque é um assunto que dá leitura). A questão central é a seguinte: que tipo de música devemos tocar para os bebês ouvirem? E em que pé estão as pesquisas sobre o tema? Um das dicas vem de um especialista canadense: “(…) presumivelmente, se você expõe um bebê a um monte de ritmos complexos, você pode fazer que com ele fique mais sensível a esses ritmos”. Na foto, um bebê sendo estudado no Auditory Development Lab da McMaster University, onde um trabalho indicou que a maneira como os adultos balançam as crianças afeta a preferência deles por marchas ou valsas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: