Aprenda a contar histórias com a Pixar

Aprenda a contar histórias com a Pixar

Renato Prelorentzou

03 de março de 2017 | 17h00

Desde os tempos das cavernas até a era do Instagram, tudo o que fazemos é contar histórias. Esse é nosso jeito de dar sentido ao que vivemos — e também é a melhor maneira de deixar nossa marca na memória e na emoção das pessoas.

Mas, mesmo que pareça algo natural, contar histórias não é tarefa fácil. E é isso que a Pixar quer ensinar.

Em parceria com a Khan Academy, a Pixar começou a oferecer um curso de storytelling totalmente online e gratuito, com vídeo-aulas sobre processo criativo, desenvolvimento de ideias, técnicas narrativas e criação de personagens e de mundos ficcionais.

A primeira parte do curso já está no ar. Enquanto a gente espera as próximas lições, fiz um catadão de algumas dicas, regras e elementos que aparecem aqui e ali nos filmes da Pixar e nas palavras de seus diretores, produtores, roteiristas e pesquisadores. Longe de mim querer encerrar o assunto. Bem ao contrário: se você tiver outras dicas, sugestões e críticas, é só me procurar no Facebook ou no Twitter.

 

montagem_pixar

 

CRIANDO PERSONAGENS 

Tem que ter desejo: É muito comum que simpatizemos com personagens que são parecidos conosco — e ainda mais com personagens que são aquilo que gostaríamos de ser. Fortes, ricos, bonitos, poderosos, confiantes. Então fica a pergunta: como a Pixar nos faz gostar de ratos de restaurante, monstros assustadores, robôs enferrujados e bonecos ególatras? A resposta é simples: não gostamos desses protagonistas pelo que são, mas sim pelo que temem e desejam. Por mais esquisitões que nos pareçam, compreendemos como se sentem porque eles têm medos, desejos e sonhos — e nós sabemos bem como é isso.

Tem que ter desafio: Todo filme da Pixar fala sobre protagonistas empurrados para fora da zona de conforto. E essa é uma bela dica de seus roteiristas: “se seu personagem gosta de uma coisa, faça-o enfrentar o oposto”. O que ele vai fazer? Como vai reagir? É isso que movimenta a história. O herói tem que ser desafiado, chamado para uma aventura, levado ao limite. Só assim vai sair da vida comum, reagir, aprender, crescer e se transformar.

Riscos e sacrifícios: Não existe história sem conflito. Mas conflito não é um mero arranca-rabo entre personagens: é o obstáculo que separa o herói de seu desejo. A audiência precisa sentir que tem muita coisa em jogo para o protagonista, que ele corre um risco real de perder aquilo que mais ama, aquilo que dá sentido à sua vida. Só aí é que saberemos o que ele está disposto a sacrificar, o que realmente quer, quem realmente é e quem precisa vir a ser.

Opiniões fortes: Um bom protagonista começa a história cheio de certezas, pois só assim terá motivações sólidas o bastante para gerar conflitos concretos e profundos. O curioso é que a Pixar usa esse mesmo princípio para desenvolver também seus antagonistas: eles não fazem malvadezas simplesmente por serem malvados. Suas escolhas são bem justificadas por suas convicções — só que essas convicções são pautadas por desejos e valores opostos aos do protagonista. Quanto mais convictos forem os personagens, mais coerente será seu embate e mais significativa e cativante será a história.

Pontos fracos: O protagonista precisa ter opiniões fortes para ter desejos fortes e arriscar muito quando for desafiado. Mas também precisa fracassar — só para tentar de novo, arriscar mais, mudar para melhor. Nossa conexão com os personagens da Pixar se dá através de suas vulnerabilidades. São suas falhas e fraquezas que os deixam mais complexos, verdadeiros e próximos de nós. Gostamos de vê-los em seus momentos de sucesso, claro. Mas gostamos ainda mais de ver que eles caem — mas depois se levantam para tentar e tentar até o fim. É isso que nos inspira.

 

PRENDENDO A ATENÇÃO DA AUDIÊNCIA: A ESSÊNCIA DA HISTÓRIA

A expectativa: Toda boa história começa com um tipo de promessa. Pode ser o simples Era uma vez… dos contos de fada. Pode ser a misteriosa cena de crime dos romances policiais. De um jeito ou de outro, a história precisa prometer que vai ser interessante, que vai valer a pena. Por isso, um dos principais mandamentos da Pixar é o make me care: faça com que eu me importe. Crie nos personagens e na audiência um sentimento de antecipação, de curiosidade, de importância e de incerteza sobre o que está por vir.

A teoria do dois mais dois: Os seres humanos são bichos que resolvem problemas. Nosso cérebro evoluiu para fazer deduções, criar hipóteses, imaginar saídas. Contar uma história nada mais é que convidar a audiência para jogar esse jogo. É ocultar estrategicamente as informações para que ela junte as peças, resolva o mistério, descubra o segredo, pense junto. Aí está a graça da brincadeira. Como dizem os roteiristas da Pixar, não entregue tudo de bandeja para a audiência: “não diga 4, diga 2+2”.

Sentido e verdade: Mesmo que falem de cenários e personagens fantasiosos, os filmes da Pixar são muito mais que desenhos animados e bem coloridos para as crianças. São histórias sobre emoções e valores fundamentais da condição humana: família, amizade, respeito, compaixão, a passagem do tempo, o sentimento de perda, a necessidade de nos sentirmos amados, úteis, vivos. A Pixar superou a Disney ao compreender que amamos as histórias que impõem um sentido ao caos do mundo, que dão a sensação de que agora compreendemos a verdade da vida.

Do fim pro começo: Contar uma história é fazer uma promessa e, principalmente, saber onde a história vai chegar. Saber que tudo o que você diz, desde a primeira palavra, precisa apontar para esse final. E os finais são difíceis de escrever, pois é nesse momento que você enfrenta a pergunta que não quis calar desde o início da escrita: “Por que preciso contar essa história? Qual é a verdade universal que ela transmite?”. A resposta lhe dirá qual é seu tema, a essência de sua história E é a partir daí que você terá de reescrever tudo, desde o começo, para que cada palavra aponte para esse final.

up-5

 

MONTANDO A ESTRUTURA

Parece simples, mas não é: A Pixar usa uma estrutura de enredo que funciona como um jogo de preencher as lacunas: Era uma vez ___. Todos os dias ___. Até que certo dia ___. Por causa disso ___. Por causa disso ___. Até que finalmente ___. E daí em diante ___. Os dois primeiros passos apresentam o protagonista, seu mundo e seu desejo. O terceiro traz o incidente, o chamado para aventura, o acontecimento que vai mudar a vida do herói e exigir sua reação. Os sucessivos Por causa disso representam os obstáculos que o protagonista terá de enfrentar. Mas cuidado: “Por causa disso” é bem diferente de “depois disso”. A história não pode ser só uma sequência de acontecimentos um depois do outro. Os eventos precisam vir numa cadeia de causalidade, como se tudo a partir do incidente tivesse de acontecer do jeito que aconteceu. O penúltimo passo, Até que finalmente, traz a resolução do conflito. E daí em diante, o último passo, é o motivo pelo qual contamos a história: a mudança significativa no herói e em seu mundo, algo relacionado ao tema, à “moral da história”.

Coerência, coerência, coerência: Uma boa história fala sobre personagens interessantes tomando decisões interessantes e emocionalmente justificadas. Sair voando numa casa pendurada em balões coloridos é uma ideia linda e original — mas só faz sentido porque antes acompanhamos a história do velhinho de Up! e então podemos sentir que, apesar de surpreendente, sua decisão foi lógica e quase inevitável. O universo ficcional da Pixar é super bacana e fantasioso. Mas só cativa a audiência porque as emoções, motivações e decisões de seus personagens são coerentes.

Deus ex machina: Coincidências acontecem na vida. Mas não podem acontecer com o protagonista — a menos que seja para complicar ainda mais sua situação. Deixar que as soluções caiam no colo do herói é roubar o prazer de descobrir como ele venceria os obstáculos sozinho, o prazer de saber quem ele realmente é.

Foco e economia: As boas histórias são mecanismos complexos e muito bem ajustados. Não tem nada faltando. Nada em excesso. Cada parte é necessária e todo personagem cumpre uma função: iluminar um aspecto do herói, representar os valores que lhe são caros ou desafiar suas convicções, impondo obstáculos que gerem conflitos e movimentem o enredo. Você pode até criar personagens apenas para mobiliar o universo ficcional, desde que eles sejam muito interessantes e não atrapalhem o enredo. Mas, se dá para contar a história sem determinado personagem, é sinal de que talvez seja melhor tirá-lo mesmo.

Surpreender sempre: uma das marcas da Pixar é sua determinação em evitar ou mesmo reverter clichês e convenções. Os filmes começam com estereótipos, só para depois quebrar a regra e desafiar a audiência: vemos um tubarão feroz, mas ele é vegetariano. Vemos uma princesa linda, mas ela não sonha com nenhum príncipe da Disney. Isso deixa os personagens mais interessantes, a história mais original e a audiência com mais expectativa.

montagem

 

BOTANDO AS IDEIAS NO PAPEL

Toda hora é hora de escrever: quando ficam só na cabeça, as ideias parecem perfeitas, geniais. Só quando você começa a botar no papel é que vai percebendo seus problemas, suas inconsistências. Por isso, é fundamental dar concretude a elas, mostrá-las para os outros, discutir, colaborar, fazer as coisas acontecerem. Se você não escrever suas ideias, seus personagens nunca vão existir no mundo, nunca vão contar sua história a ninguém.

As melhores ideias vêm da vida: Os filmes da Pixar não falam sobre acontecimentos. Falam sobre sentimentos que todos podemos compartilhar. Por isso, deixam uma dica: escreva aquilo que você sabe, aquilo que você se sente. Contar uma história é se conectar a outra pessoa, fazê-la sentir o que você sente. E você só vai conseguir fazer essa conexão se escrever com honestidade.

Travou? Se você não consegue avançar na escrita, faça uma lista das coisas que não aconteceriam no enredo. O que não pertence à história? O que nunca poderia ocorrer? Quando você souber por onde não seguir, vai descobrir aonde quer chegar. Um bloqueio criativo às vezes é o melhor jeito de ir explorando e construindo seu universo ficcional.

Continue a nadar, continue a nadar… a Pixar entende que criar histórias é um processo de tentativa e erro. Seus criadores sabem que vão errar. E até se programam para errar. Descartam a primeira, a segunda, a vigésima nona ideia. Contam e recontam uma, duas, três, trinta vezes. Testam inúmeras possibilidades para surpreender os outros e a si mesmos. Melhor que ninguém, sabem que o segredo é tentar e tentar até o fim.

dory-from-finding-dory

Agora que você já chegou até aqui, veja como tudo isso se aplica em Piper, vencedor do Oscar de Melhor Curta de Animação.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.