Um enterro no final das Satyrianas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um enterro no final das Satyrianas

Carolina Spillari

29 de novembro de 2010 | 00h56

Um enterro tomou o Cenamix no final deste domingo, 28, no encerramento das Satyrianas. O cortejo fúnebre começou fora da tenda, logo na entrada do terreno na esquina da Rua Augusta e Caio Prado. Embalado pelo canto operístico da atriz Simone Limase, o público assistiu Erika Forlim  (parte do elenco na foto) picotar pouco a pouco o vestido de noiva que trajava. Os pedaços foram distribuídos a cada um dos espectadores. Em seguida, a plateia foi convidada a colocar cada pedacinho sobre o caixão.

O velório durou mais alguns minutos. Um dos atores – Rodrigo Zappa  – participava de outro espetáculo. Com a chegada dele, alinharam-se todos e puseram-se à leitura dramática de Correnteza, de Gabriela Mellão, que esteve presente entre o público.  Cada ator encadeadou uma fala sobre as relações entre familiares, um filho conta as mágoas do pai e a fluidez da água que tudo leva e transforma.  A direção foi de Maurício Paroni de Castro. Participaram ainda da leitura: Raissa Peniche, Fernando Guimarães e Josué Torres, Pedro Barreiro e Mario Chimanovitch.


Nesta edição da Satyrianas o homenageado foi Alberto Guzik – crítico do Jornal da Tarde,  dramaturgo e ator – morto em junho deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:

Satyrianas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: