As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Três livros são desclassificados da final do Jabuti

Eliana Souza

25 Setembro 2013 | 15h55

Julia Affonso

O conselho curador do Prêmio Jabuti desclassificou três obras que estavam na fase final da premiação, na terça-feira, 24. Dois livros da categoria tradução e outro da infantil foram eliminados, pois estavam em desacordo com o regulamento. Na semana passada, os jurados do Jabuti escolheram os dez finalistas de cada uma das 27 categorias do prêmio.

Duas mudanças foram feitas na categoria tradução, depois de questionamentos feitos pelo jornal O Globo. O livro Ficção Completa, de Bruno Schulz (Cosac Naify), traduzido por Henryk Siewierski, foi substituído por O Comedido Fidalgo (Benvirá), de Juan Eslava Gavan, na tradução de Josely Vianna Baptista. A obra eliminada já havia tido uma parte traduzida anteriormente.”Não se pode considerá-la uma nova tradução e sim uma tradução revista”, informou o conselho curador.

A outra tradução desclassificada foi a do autor Mamede Mustafa Jarouche. O Livro das Mil e Uma Noites – Volume 4 (Globo) foi substituído por Fora do Tempo (Companhia das Letras), de David Grossman, na tradução de Paul Geiger. Segundo o regulamento do Prêmio, caso o livro tenha vários volumes, na categoria tradução é considerada a data da última obra publicada, desde que nenhum dos demais volumes tenha sido inscrito em edições anteriores do Jabuti. O Volume 1 do Livro das Mil e Uma Noites já havia sido premiado no Jabuti, em 2006

Na categoria infantil, A Pedra na Praça (Rovelle), de Ana Sofia e Tatiana Mariz, foi desclassificada e substituída por O Peixe e a Passarinha (Companhia das Letras), de Blandina Franco e José Carlos Lollo. De acordo com o regulamento, apenas obras inéditas podem concorrer. A Pedra é uma adaptação de contos de Tolstói.

Mais conteúdo sobre:

PRÊMIO JABUTI; LITERATURA