‘The Underground Railroad’ mostra a vida de uma escrava em fuga nos EUA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘The Underground Railroad’ mostra a vida de uma escrava em fuga nos EUA

Ubiratan Brasil

11 de maio de 2021 | 07h51

Diretor de Moonlight – Sob a Luz do Luar, Barry Jenkins migrou para a televisão para uma adaptação de The Underground Railroad – Os Caminhos para a Liberdade, romance vencedor do Prêmio Pulitzer, escrito por Colson Whitehead, um projeto que o vencedor do Oscar disse ter temido desde o início. A série com dez episódios estreia no Amazon Prime Vídeo no dia 14 de maio.

O cineasta, de 41 anos, leu uma cópia da história angustiante de Whitehead antes de seu lançamento, em 2016, e ficou encantado em sua jovem protagonista, a escrava negra Cora, e sua busca pela liberdade em uma plantação no Estado norte-americano da Geórgia.

Diretor. Barry Jenkins revela seus temores com a série. Foto David McNew/Reuters

Transcorrida no sul profundo do século 19, a série é a maior empreitada televisiva de Jenkins até o momento, e conta com imagens assombrosas e aflitivas da brutalidade da escravidão.

“Tanto a escala quanto a abrangência da história quanto a natureza delicada do assunto, acho que por muitas razões diferentes era algo a temer”, disse Jenkins. “Mas acho que isso é uma coisa boa. Como artista, se você não fica algo assustado com o que está fazendo, então a coisa que você está criando não vai ajudar você a se expandir ou evoluir”.

A trama acompanha Cora, interpretada pela atriz sul-africana Thuso Mbedu, quando ela descobre a “ferrovia subterrânea”, uma rede secreta de trilhos, e embarca em sua jornada, viajando de Estado a Estado. “A série, no final das contas, fala de sobrevivência. Fala de triunfo, de uma certa maneira, mas ela brota deste trauma que é muito real e precisa ser reconhecido”, disse Jenkins.