As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

The Black Keys fecha a segunda noite do Lollapalooza

Daiane Oliveira

30 de março de 2013 | 23h57

Lollapalooza_2013.jpg

4_black_keys.jpg

João Paulo Carvalho e Roberto Nascimento – O Estado de S.Paulo

Nada de solos intermináveis, riffs abstratos e agudos ensurdecedores. A receita do Black Keys para ser uma grande banda é simples: rock puro, genuíno e muito bem entrosado, como a primeira semana de um namoro, que, em princípio, parece perfeito. Eis a fórmula do sucesso para o duo americano com mais de 10 anos de estrada e 7 álbuns lançados.

Se a consolidação do sucesso merecido veio apenas este ano com o premiado álbum El Camino, a banda deu a resposta com uma ótima performance para as 55 mil pessoas que marcaram presença na segunda noite do festival Lollapalooza, no Jockey Club de São Paulo, neste sábado, 30, na capital paulista.

[galeria id=6252]

Sem conversar muito com o público, o vocalista Dan Auerbach deu as boas vindas: “Oi, tudo bom? Podem me ajudar com a próxima música?”, disse antes de dar início aos primeiros acordes de Golden on the Ceiling.

Dan também fez questão de apresentar os músicos de apoio da banda. “Vamos prestigiá-los. Sem eles, isso tudo não seria possível”, afirmou minutos antes de pegar o violão e iniciar o momento mais romântico da noite, com Little Black Submarines.

                + Vai ao festival? Clique o que só você viu e envie

                + O que fazer para evitar perrengues no Lollapalooza

O baterista Patrick Carney, que leva facilmente o título de um dos músicos mais desajeitados da história, tem batidas fortes e que casam perfeitamente com os acordes secos e dirtocidos da guitarra da Dan.

Querido entre indies e conservadores, o duo de cordas e bateria foi um dos destaques de um dia focado em rock vintage, com bons shows de Alabama Shakes e Queens of the Stone Age, além de exibição de gala do lendário rapper Nas. O Black Keys não causou a catarse visto no primeiro encerramento, com show do Killers, tampouco passou batido.

No segundo dia do festival, lama cobriu os pés do público, filas já esperadas para banheiro e comida circularam o gramado do Jockey. O dia também teve protestos contra o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Marco Feliciano. “Fora Feliciano” declarou o rapper Criolo durante seu show, dando início a um coro com a plateia. Cartazes com a mesma frase fora vistos na multidão.

Repertório:

1 – Howlin’ for You
2 – Next Girl Play
3 – Run Right Back
4 – Same Old Thing
5 – Dead and Gone
6 – Gold on the Ceiling
7 – Thickfreakness
8 – Girl Is on My Mind
9 – Your Touch
10 – Little Black Submarine
11 – Money Maker
12 – Strange Times
13 – Ten Cent Pistol
14 – Nova Baby
15 – Sinister Kid
16 – Everlasting Light
17 – She’s Long Gone
18 – Tighten Up
19 – Lonely Boy
20 – I Got Mine

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: