As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Roberto Carlos comemora aniversário na Arena do Palmeiras com bolo e sucessos

Pedro Antunes

19 de abril de 2015 | 01h21

Uma hora e quinze minutos antes de completar 74 anos, Roberto Carlos recebeu um Parabéns a Você de um coro de 50 mil pessoas. Seria o maior de uma vida festejada? Provavelmente, sim. Coisas de rei. A Arena do Palmeiras, lotada e reverente, testemunhou o show de comemoração na véspera do aniversário do cantor na noite deste sábado, 18.

Momentos antes do conhecido “karaokê de abertura”, quando apenas a banda que o acompanha sobe ao palco para um pout-pourri com alguns maiores sucessos dele, como Como é Grande o Meu Amor Por Você e Detalhes, um aviso nos telões do estádio avisava que haveria uma “surpresa”, com bolo e música. A informação era que a homenagem aconteceria à meia-noite, mas os planos mudaram e tudo foi realizado mais cedo. Às 23h09, Roberto já havia deixado o palco.

Roberto Carlos comemora aniversário em São Paulo
Roberto Carlos comemora aniversário em São Paulo – Pedro Antunes

Certamente, foi a grande mudança da noite. De resto, Roberto e banda seguiram um roteiro que não fugiu de nada que pudesse ser esperado. Não que fosse possível encontrar rostos desapontados. Olhos marejados, por sua vez, estavam por todos os lados.

Hits – e isso ele possui de monte – estavam lá. E enfileirados. Como É Grande o Meu Amor Por Você, Emoções, Eu Te Amo, Eu Te Amo, Eu Te Amo, Além do Horizonte, Ilegal, Imoral ou Engorda, Desabafo, Lady Laura. Em Nossa Senhora, fogos de artifício foram disparados nas laterais do palco, em cascata. Os maiores deles, contudo, não pareceram fazer frente ao mais recente sucesso, Esse Cara Sou Eu.

Tema dos protagonistas da novela da TV Globo Salve Jorge, lançado em 2012, foi um arrombo de vendas na época. Um milhão de cópias em três semanas, no fim daquele ano. No palco, Roberto derrama seus charme para as fãs, cheio de lábia, antes de dar início aos versos apaixonados. Vozes de todos os lados pareciam concordar com ele: “Esse cara sou eu”. Ou ele, neste caso.

Amor, é claro, é escancarado. Seja nas suas canções, seja na devoção de um público que, além de formar um coro consistente, exibida com orgulho as cópias recém-adquiridas da autobiografia fotográfica de Roberto, lançada recentemente. Ali, o livro era vendido por R$ 100. “Na loja está R$250”, apressa-se a dizer a atendente em um dos estandes de venda.

De terno branco, sobre um camisa com estampa azul, Roberto se mostrou falante como sempre. Os três botões abertos da camisa deixavam à mostra uma corrente de ouro. Conversou com o público, brincou, confessou histórias que podem até ser conhecidas, mas criavam um laço de intimidade entre artista e plateia. O maestro Eduardo Lages comandou os músicos com a eficiência de sempre. Por vezes, as luzes do palco se apagavam para dar início à sessões instrumentais. O show já chegava ao fim quando Roberto passou a apresentar aqueles que o acompanhavam no palco.

Falava com eles, um a um, rasgando-lhes elogios costumeiros, quando todos ficaram a postos e deram início à música para parabenizar o rei. Um bolo gigante foi levado ao palco e o público, embora surpreso com a mudança de planos, entoou o canto algumas vezes. Roberto cortou o bolo – deslizando a faca de cima para baixo, diferentemente do costume popular – e chegou a oferecer um pedaço para uma moça da plateia. “Para representar a todos vocês”.

Depois disso, a festa já chegava ao fim. Muitos abandonaram as próprias cadeiras. Todos queriam chegar perto do rei. Vê-lo mais próximo, fotografá-lo, fazer uma selfie com Roberto ao fundo. Com Jesus Cristo, o Roberto entregou rosas, como de costume. Foram 10 minutos nesta cerimônia de devoção. Duas horas de show depois, encerrava a provável maior festa de aniversário do rei.

Como o aniversariante, Roberto Carlos fez o necessário para alegrar a todos os convidados, mas, talvez, alguém devesse ter avisado ao confeiteiro que seria preciso preparar um bolo para 50 mil convidados.

Tendências: