Protestos em defesa do MinC e contra Temer são vistos nos palcos da Virada Cultural
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Protestos em defesa do MinC e contra Temer são vistos nos palcos da Virada Cultural

Programação segue até o domingo, 22, em São Paulo

21 de maio de 2016 | 23h03

Virada Cultural

(Foto: Sérgio Castro/Estadão)

Às 21 h, Alcione subiu no palco principal da Virada Cultural, em frente à Estação Júlio Prestes, e criticou a extinção (agora revertida) do MinC. “Como um país como o nosso pode ficar sem o ministério? “, disse, e foi muito aplaudia. Ela também comentou com indignação o incidente em Mariana (MG).

Já no palco São João, o “o palco das mulheres”, a cantora Ellen Oleria fez as intervenções mais incisivas do começo de noite na Virada. “O Ministério é nosso!”, disse do palco. A plateia aplaudiu muito e respondeu com “Fora, Temer!”.

Cartazes com inscrições “Temer jamais” são vistos em todos os shows até agora.

Violontango, na Praça da República, na última música, fez uma projeção na qual pedia “fuera”  temer, “fuera macri e “latinoamerica unida”.

Alguns bloqueios de trânsito não funcionam muito bem: enquanto os pedestres transitam de um palco para outro em ruas nem sempre totalmente bloqueadas para carros, os motoristas tentam passar no meio da multidão.

A Prefeitura havia divulgado que o Palco Rio Branco ficaria na Avenida Rio Branco com a Rua Aurora. Ele, na verdade, fica mais adiante, depois da Ipiranga, com a frente para o Largo do Paissandu.

COLABOROU ADRIANA MOREIRA