Paul rege emoções no Morumbi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Paul rege emoções no Morumbi

Celso Filho

22 de novembro de 2010 | 00h11

Por Jotabê Medeiros
Fotos: Filipe Araujo/AE

SÃO PAULO – Às 21h33, de terno azul, o mítico contrabaixo “canhoto” nas mãos, Paul McCartney entrou no palco do Morumbi, prometendo alguma diversão para a noitada. Acenou para os fãs e emendou uma sequência á amplamente conhecida: Venus and Mars, Rockshow, Jet, All My Loving, Drive my CAr, Highway e Let me Roll it. Muita gente chorava e se abraçava pelo gramado. Artistas como a atriz Leandra Leal, o cantor Lenine e o estilista Tufi Duek circulavam pelas áreas VIPs.

“Oi, tudo bem? Oi, boa noite. Boa noite, São Paulo. Boa noite, Brasil”, disse o ex-beatle, devidamente ensaiadinho no português. “E aí, galera? Irráááá!”, gritou. E foi pontuando as canções com as frases decoradas. “Esta noite eu vou falar porutugês. Mas vou falar mais inglês”, disse, arrancando risos. A partir de The Long and Winding Road, ele foi ao piano, sem terno, mostrando os suspensórios. O Morumbi estava encantado. “Eu escrevi essa música para o meu amigo John”, disse Paul, antes de cantar HERE TODAY.

“Obrigado, paulistas”, disse Paul, cujo repertório previa 35 músicas na noite, que se estenderia até a madrugada desta segunda-feira.  O beatle estava animado: pouco antes do show, entre as 16h e as 17h, ele fez a passagem de som, que foi assistida por 200 fãs. Nela, tocou até uma música dos Rolling Stones, segundo seus assessores.

Tudo o que sabemos sobre:

BeatlesPaulPaul McCartneyshowsWings

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: