As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ônibus se perde e cambistas cobram R$ 200 por ingresso

Eliana Souza

14 Setembro 2013 | 16h45

Julio Maria

Ônibus selvagem
Uma motorista que levava um ônibus com passageiros que iam do Terminal Alvorada, na Barra, em direção à Cidade do Rock, errou o caminho na tarde de ontem. Desesperados para chegar na hora do show de seus ídolos, os fãs que estranharam o trajeto gritaram para a moça voltar. “Dá um GPS pra ela”, diziam. Ajudada por um policial, ela manobrou e retornou de ré até voltar ao trecho certo. “Perdi o começo do show em homenagem ao Cazuza, que eu queria tanto ver”, disse uma passageira.

Quem disse que não tem rock?
Os ‘camisas pretas’ começaram a surgir no Rock in Rio. Completamente ausentes do primeiro dia, o “uniforme” dos fãs de metal deu as caras nesta sábado, mesmo sob o forte calor. Ramones, Offspring e Pantera pareciam liderar a preferência dos rapazes, que estavam ali sobretudo para ver Mark Ramone, baterista dos Ramones, e o Offspring, no Palco Sunset.

Rock in Rua
Ideia para a produção do próximo Rock in Rio: já que há filas gigantes para tudo dentro e fora da Cidade do Rock (compra do cartão de passagens para usar os ônibus, tirolesa, entrada principal…), músicos de rua poderiam ser contratados para animar os espaços em que há estas grandes concentrações. Isso naturalmente começa a acontecer no Terminal Alvorada, onde um roqueiro tocava clássicos dos anos 70 com seu violão, e na Avenida Salvador Allende, onde um saxofonista fazia a trilha sonora para os fãs da fila.

Salvando almas
O público passava pela Avenida Salvador Allende, quase chegando ao portão principal, sem perceber a discreta presença de um casal evangélico oferecendo livros religiosos. Paulo e Daniele, que se indentificaram como membros da denominação cristã Testemunhas de Jeová, não estavam ali para resgatar almas do profano mundo do rock’n’roll. “Você sabia que 10% da Bíblia é música?”, disse ela à reportagem, antes de oferecer um de seus livros de graça. “Ninguém aqui paga nada”, disseram.
R$ 200
Este é o preço que alguns fãs disseram ontem, pelas redes sociais, terem pago pelo ingresso de um dia que conseguiram nas mãos dos cambistas.

Mais conteúdo sobre:

ROCK IN RIO