Julián Fuks é o vencedor do Livro do Ano de Ficção do Prêmio Jabuti
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Julián Fuks é o vencedor do Livro do Ano de Ficção do Prêmio Jabuti

Ubiratan Brasil

24 de novembro de 2016 | 23h58

Um prêmio para a resistência – cultural, social, política. Foi assim que o escritor Julián Fuks agradeceu o prêmio de Livro do Ano de Ficção para sua obra A Resistência (Companhia das Letras), entregue no final da noite desta quinta-feira, 24, na cerimônia de premiação do Prêmio Jabuti, em São Paulo. Ele receberá R$35 mil, valor que será dividido entre os vencedores do prêmio de Livro do Ano de Não Ficção, concedido a Dicionário da História Social do Samba (Civilização Brasileira), de Nei Lopes e Luiz Antonio Simas, e a Mario de Andrade: Eu sou Trezentos: Vida e Obra (Edições de Janeiro), de Eduardo Jardim.

O escritor. Ele recebeu um prêmio de R$ 35 mil

O escritor. Ele recebeu um prêmio de R$ 35 mil

“Eu não esperava nem ficar entre os três melhores livros de ficção, pois, nas outras quatro vezes em que participei, não me classifiquei”, comentou Fuks. Em A Resistência, ele ambienta a trama na chamada Guerra Suja, regime de terror iniciado em 1976, na Argentina. Sebastién é o filho mais novo, e seu irmão adotado, o primogênito de um casal de psicanalistas argentinos que logo buscarão exílio no Brasil. Os pais conhecem bem as teorias sobre filhos adotados e biológicos (Winnicott, em especial), mas a vida é diferente da bibliografia especializada. Cabe então ao narrador o exame desse passado violento e a reescritura do enredo familiar.

Tendências: