Diretores estrangeiros do Oscar lançam comunicado contra Trump
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diretores estrangeiros do Oscar lançam comunicado contra Trump

Ubiratan Brasil

26 de fevereiro de 2017 | 01h21

Ubiratan Brasil, enviado especial a Los Angeles

Os diretores que disputam o Oscar de melhor filme estrangeiro reforçaram o caráter político que a categoria já ganhara, depois que um dos participantes, o iraniano Ashgar Farhadi, negou-se a vir aos Estados Unidos, depois das medidas anti-imigratórias tomadas pelo presidente Donald Trump. Na sexta-feira, eles anunciaram um comunicado conjunto, assinado inclusive por Farhadi, em que condenam a atitude do mandatário. E, ao longo do sábado, os cineastas continuaram fazendo declarações condenando a atitude de Trump.

(L-R) Mark Johnson, Academy Governor, directors nominated for best Foreign langauge Film Martin Zandvliet, Maren Ade, Hannes Holm, Martin Butler and Bentley Dean arrive for the 89th Academy Awards Foreign Language Film reception in Beverly Hills, California on February 25, 2017. / AFP PHOTO / ANDREW CABALLERO-REYNOLDS

Time. O presidente do Comitê de Filme Estrangeiro, Mark Johnson (E), o dinamarquês Martin Zandvliet, a alemã Maren Ade, o sueco Hannes Holm, e os australianos Martin Butler e Bentley Dean. Foto Andrew Caballero-Reynold/AFP

A declaração, emitida em conjunto, foi basicamente escrita pela diretora de Toni Ederman, Maren Ade, e é o fruto de reuniões e trocas de e-mails entre os concorrentes nos últimos dias. Todos em busca da melhor maneira de manifestar solidariedade a Farhadi. “Era a melhor maneira de mostrar o que estávamos sentindo”, disse. “Na cerimônia do Oscar, o tempo é curto, portanto, tínhamos de falar antes.”

“Queríamos fazer algo, que foi concebido num período razoavelmente lento, porque passamos dias conversando sobre isso, mas o resultado expressa nossa postura coletiva”, disse o co-diretor do longa australiano Tanna, Martin Butler.

O dinamarquês Martin Zandvliet, diretor de Land of Mine, disse que foi essa a melhor maneira de marcarem posição. “Era conveniente fazer algo para mostrar nosso apoio.”

Os diretores de quatro dos cinco filmes se reuniram na manhã de sábado, no tradicional simpósio que antecede o dia da cerimônia do Oscar. O debate foi coordenado pelo produtor Mark Johnson, que também comanda o comitê de Filme Estrangeiro da Academia de Hollywood. No encontro, ele disse ter conversado com Farhadi nos últimos dias. “Ele fez questão de agradecer a indicação e também à Academia pela indicação. Lembrou também que, quando esteve aqui em 2012, participando com A Separação – que acabou levando o Oscar – foi um dos melhores fins de semana de sua vida.”

Ao final do encontro, Johnson se dirigiu aos cineastas presentes ao Samuel Goldwyn Theatre, o cinema da Academia, e disse: “vocês todos assinaram uma declaração em resposta ao que está acontecendo. Não se trata apenas da defesa dos direitos dos artistas, mas dos direitos humanos. E isso é extraordinário.”

Tudo o que sabemos sobre:

#oscar2017cinema#trump

Tendências: