Depois de polêmica em 2017, Anitta finalmente vai tocar no Rock in Rio
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Depois de polêmica em 2017, Anitta finalmente vai tocar no Rock in Rio

Participação da cantora foi confirmada no festival brasileiro de 2019 e também na versão portuguesa em 2018

Guilherme Sobota

15 Dezembro 2017 | 12h12

A curadoria do Rock in Rio esnobou Anitta em 2017 — para revolta dos fãs e críticos — mas agora confirmou a participação da cantora na edição de 2019 do festival no Rio de Janeiro.

O contrato que prevê um show no Rock in Rio Lisboa em 2018 também garante o nome de Anitta no cartaz do festival carioca daqui a dois anos.

Em entrevista ao Estado, em novembro, a cantora havia reafirmado a vontade de fazer um próprio festival de música e deu uma dica sobre a participação no Rock in Rio.

LINS9936 - RIO DE JANEIRO - RJ - 20/11/2017 - ANITTA / RIO - CADERNO 2 OE - A cantora e compositora Anitta posa para fotos no Hotel Hilton na Barra da Tujuca zona oeste do Rio de Janeiro, nesta tarde de segunda-feira (20).  Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO

Anitta no Rio, em novembro. Foto: Fabio Motta/Estadão

“É um ideia (fazer um festival), mas não é algo que se faz do dia para a noite, é muito grande. Por isso ainda não falo muito sobre isso.” Ela nega que os planos tenham surgido após ficar de fora do Rock in Rio deste ano. “Não tivemos briga, inclusive estamos fechando coisas.”

+ ‘Bastante gente lá fora está me procurando’, diz Anitta sobre novas parcerias

Para 2018, ela garantiu que mais parcerias com artistas internacionais estão por vir. “Bastante gente lá fora está me procurando, nomes grandes. Como não são trabalhos meus, não posso divulgar nada”, disse Anitta. “Tem que ter planejamento, não dá para sair gravando com 500 pessoas. Conforme me convidam, vejo se vai ser bom para mim, para a pessoa e se é a hora certa.”

Os fãs da cantora reclamaram, em setembro, sua ausência no line up do festival no Rio, em especial depois do cancelamento da apresentação de Lady Gaga de véspera. “O artista para substituir tem que ter já um show montado para aquele palco. Por isso, tinha que ser alguém que já estava no festival, com a estrutura toda (Maroon 5). A gente nunca cogitaria alguém de fora, nem se fosse a Madonna. É uma produção muito grande. Um show ruim no Palco Mundo é destruidor”, disse, na época, Roberta Medina, vice-presidente do Rock in Rio.

Sobre as notícias de que a produção de Anitta pensa em montar um festival próprio, com atrações do funk e do pop, Roberta havia dito ao Estado que o Rock in Rio vê o surgimento de novidades como esta com bons olhos. “Quanto mais, melhor. O mundo está vivendo o surgimento de muitos festivais. É sinal de que as pessoas precisam estar juntas. Festival tem função de encontro. A gente não sobrevive se relacionando só através do telefone celular.”

Mais conteúdo sobre:

ROCK IN RIOAnitta