Cinco bons motivos para Ringo Starr ser seu Beatle favorito
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cinco bons motivos para Ringo Starr ser seu Beatle favorito

João Paulo Carvalho

26 de fevereiro de 2015 | 14h30

Ser fã de Ringo Starr é uma das tarefas mais penosas do mundo. As pessoas sempre te olham com aquele olhar meio torto. “Qual seu Beatle favorito? Ringo. Isso é sério?”. Quem nunca sofreu preconceito por amar o Ringão. Paul, John e George eram gênios, sim. Não há como contestar. Mas o Ringo, meu amigo, tem simpatia. É aquele cara da banda que todo mundo gosta. O boa praça. O cara que faz piadas e arranca gargalhadas na rodinha musical. Ringo pode não ser um primor técnico na bateria, mas tem um ritmo insuperável. Suas batidas são tão perfeitas que nenhum hit dos Beatles teria vida sem ele no comando da ‘cozinha’. Ringo faz show em São Paulo nesta quinta-feira, 26, e na sequência, se apresenta no Rio de Janeiro no dia 27. Por isso, nós, do Radar Cultural, listamos 5 bons motivos para mostrar que sim, Ringo pode ser seu Beatle favorito.

Ringo Starr

O persistente
O músico enfrentou sérios problemas de saúde na infância e passou muito tempo internado, sem poder ir à escola. Por isso, mal sabia ler e escrever aos 15 anos. Ringo passou por duas operações, ficou em coma por dez semanas e acabou permanecendo por um ano no Hospital Myrtle Street Children. A música começou a salvar sua vida profissional em 1957, quando começou uma banda, os The Eddie Clayton Skiffle Group, aos 17 anos. Pouco tempo depois ele tomaria o lugar de Pete Best nos Beatles.

Ele ‘uniu’ os Beatles
Ringo foi o único a conseguir juntar os quatro Beatles em um álbum após o término da banda. Isso aconteceu em 1973 com o disco homônimo Ringo. Em canções diferentes, claro. George colabora na composição e produção de Photograph e You And Me (Babe); John, com a composição de I’m the Greatest e Paul colabora com You’re Sixteen e Six O’Clock.

Revolucionário
Ringo revolucionou jeito de tocar bateria, mesmo que você torça o nariz. O músico foi quem popularizou a maneira de tocar o instrumento com a mesma proporção de força nas duas mãos, segurando a baqueta esquerda e a direita, como se fossem martelos. Isso fica nítido em músicas como Come Together.

De pai para filho
O mais velho dos filhos de Ringo, Zak Starkey seguiu os passos do pai e também virou baterista do The Who. Para muitos, chegou até a superar seu “mestre”. Hoje, Zak toca com a banda que teve um dos melhores bateristas de todos os tempos: Keith Moon.

Ringão ator
Poucos sabem, mas em 1968, Ringo estrelou Candy, ao lado do grande galã de Hollywood na época, Marlon Brando. Fez outros 10 longas, com destaque para 200 Motels, com Frank Zappa, O Filho do Drácula, com Harry Nilsson, e o remake para a TV de Alice no País das Maravilhas. Além disso, Ringo conseguiu uma proeza: casou-se com a modelo e bond girl norte-americana Barbara Bach.

Tendências: