Brasileiros, franceses e alemães preferem ouvir artistas locais, aponta pesquisa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiros, franceses e alemães preferem ouvir artistas locais, aponta pesquisa

Pedro Antunes

24 Março 2017 | 14h34

Serviço de streaming de música Deezer descobriu cidades gêmeas no gosto musical, como Glasgow e Moscou, ou Buenos Aires e São Petersburgo 

The Weeknd (Crédito: REUTERS/Markus Schreiber)

The Weeknd (Crédito: REUTERS/Markus Schreiber)

Brasileiros, franceses e alemães são os mais fiéis às suas culturas quando o assunto é música por streaming, revela pesquisa do serviço Deezer, com exclusividade para o Estadão.

De acordo com o levantamento, os três países (Brasil, França e Alemanha) são aqueles cujos assinantes do Deezer mais ouvem artistas locais. No Brasil, por exemplo, a dupla sertaneja Jorge & Mateus está no topo do ranking de quase todas as capitais do País.

A Deezer aponta que, no quadro geral, o gosto brasileiro pende, mesmo, para o sertanejo. Jorge & Mateus e Henrique & Juliano estão no topo da lista de artistas mais ouvidos por aqui há três anos. Surgidas no ano passado como novas revelações do gênero, Maiara & Maraísa e Marília Mendonça entraram no top 10 brasileiro.

Na França, o rapper Jul é o mais escutado pelos franceses. A Alamanha também tem prestigiado os artistas do hip-hop local. O produtor e rapper RAF Camora é o mais ouvido no país.

A pesquisa também encontrou peculiaridades no comportamento dos assinantes da Deezer. Um fenômeno chamado de “cidades irmãs”, no qual cidades com quilômetros de distância uma da outra têm padrões semelhantes quando o assunto é gosto musical.

Por exemplo, The Chainsmokers, banda que se apresenta no Lollapalooza Brasil, neste sábado, 25, é a mais ouvida em Los Angeles e Leeds, na Inglaterra. Já o pop malicioso do The Weeknd (foto), outra atração do Lolla (ele toca no domingo, 26), é o mais ouvido na fria Chicago e na quente Cidade do Cabo.

O gosto por Red Hot Chilli Peppers une Buenos Aires e São Petersburgo, enquanto o rock desleixado do Artic Monkeys une Glasgow, na Escócia, e Moscou, na Rússia.