As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Adolescente morre durante a Virada Cultural e dois são baleados, informa Polícia Militar

Marcio Claesen

06 de maio de 2012 | 11h50

A madrugada da 8ª edição da Virada Cultural de São Paulo deixou um saldo trágico. Segundo informações da Polícia Militar, uma menina de 17 anos morreu com suspeita de overdose de cocaína. A adolescente passou mal, foi socorrida no posto médico móvel instalado nas proximidades da Avenida São João e os médicos a encaminharam para o Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia, onde ela já chegou morta.

Além disso, o major da PM Carlos Alberto Silva informou que durante os eventos da Virada Cultural um agente da Polícia Federal disparou em direção a um táxi e, por isso, foi abordado por policiais militares. O agente teria revidado a ação dos PMs, houve troca de tiros e ele ficou ferido no abdómen.

Esse mesmo agente teria atirado, ainda segundo a PM, em um jovem, que também ficou ferido e foi hospitalizado. O agente da Polícia Federal será autuado em flagrante por resistência à prisão e tentativa de homicídio.

Prisões
Ainda segundo balanço da Polícia Militar, desde o início do evento foram presas 9 pessoas em flagrante por tráfico, roubo e estelionato. Além disso, 16 adolescentes foram apreendedidos.

Problemas
Brigas também interromperam o show em homenagem a Elis Regina. Cerca de 100 adolescentes iniciaram uma briga do lado direito do palco Boulevard São João. O público, assustado, invadiu a área VIP do palco, derrubando as barreiras de proteção, enquanto os jovens corriam para o Vale do Anhangabaú destruindo tudo o que viam pela frente, como lixeiras e banheiros químicos. Não se sabe ao certo o que iniciou a briga, mas, segundo relatos, a confusão teve início após um empurra-empurra.

Também ocorreram problemas no show da banda Suicida Tendences. Assim que o grupo entrou no palco São João, na manhã deste domingo, as barreiras que separavam o enorme público da área VIP cederam dando origem a um caos generalizado. A área, destinada a convidados e portadores de necessidades especiais, era localizada em frente ao palco.

Depois de invadir o local, o público tentou subir no palco, mas todos foram contidos pelos poucos seguranças que sobraram. Fãs fizeram mosh, prática de “nadar sobre o palco”, e rodas de pancadaria pipocaram em todo local. A apresentação começou com 17 minutos de atraso.

Tudo o que sabemos sobre:

Virada Cultura; morte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.