Jean-Michel Jarre lança primeiro álbum depois de quase 10 anos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Jean-Michel Jarre lança primeiro álbum depois de quase 10 anos

O Estado de São Paulo

16 Outubro 2015 | 15h37

Quando Jean-Michel Jarre ajudou a criar a música eletrônica, nos anos 70, seu som foi revolucionário. Agora que o gênero se estabilizou e é parte da cultura pop, Jarre tenta rastrear esta evolução. Em um álbum que será lançado nesta sexta-feira – primeiro conteúdo novo de Jarre em oito anos -, o artista francês convoca colegas que considera fundamentais para a música eletrônica e os reuniu em estúdios para exibir seus estilos únicos.

Electronica 1: The Time Machine, que será seguido por um volume dois no ano que vem, contêm composições de Jarre com artistas plurais, como os trip-hop Massive Attack e Vince Clark, a sensação do synth-pop Erasure, além do DJ Moby e Pete Townshend. Jarre, ansioso para falar filosoficamente sobre sua música e atualizado acerca das últimas tendências, zomba da ideia de seu álbum ser apenas um pout-purri de celebridades, que é atualmente a fórmula da indústria para lançar “singles pegajosos”.

Jean Michel Jarre
Na maioria dessas colaborações, “alguém enviou um arquivo para outro alguém completamente desconhecido e tudo aconteceu de maneira abstrata, às vezes mais por razões de mercado do que por qualquer outro motivo”, disse Jarre.

“Para este projeto tomamos por base a ideia de viajar fisicamente para nos conhecer, unir nossos DNA’s no estúdio, e não através de representantes ou advogados”, explicou. Jarre afirmou que elegeu para seu álbuns artistas “que têm um elemento atemporal, esse tipo de som orgânico que se reconhece instantaneamente”.

Veja também
Rock Rocket explora seus próprios limites no novo disco ‘Citadel’
Inquieto, Tatá Aeroplano canta de crônicas urbanas

O músico se tornou uma sensação internacional com seu álbum de 1976 Oxygene, que contém seis faixas baseadas em sintetizadores melódicos e gravadas em casa. Logo atraiu enormes multidões a suas elaboradas atuações cheias de efeitos de luz. Seu show de 1997 para celebrar o 850° aniversário de Moscou atraiu 3,5 milhões de pessoas e foi transmitido ao vivo na estação espacial russa.

Aos 67 anos, Jarre passou a maior parte das últimas quatro décadas trabalhando sozinho em seu estúdio nos subúrbios de Paris, rodeado por computadores, teclados e outros instrumentos de sua carreira, exceto sua famosa “harpa laser”.
Para a faixa mais importante do álbum, Jarre viajou à Áustria para trabalhar com Tangerine Dream, o grupo alemão também pioneiro da música eletrônica nos anos 1970.

O líder de Tangerine Dream, Edgar Froese, morreu em janeiro aos 70 anos e seu trabalho com Jarre é o último de sua carreira. A música Zero Gravity remonta aos clássicos tanto de Tangerine Dream quanto de Jarre, com suas progressões eletrônicas estáveis que se transformam em um tipo diferencial de “música ambiente”.

Mais conteúdo sobre:

Jean-Michel Jarremúsica