O incrível caso do disco do Cachorro Grande ‘preso’ na alfândega brasileira por três anos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O incrível caso do disco do Cachorro Grande ‘preso’ na alfândega brasileira por três anos

Pedro Antunes

24 de novembro de 2017 | 23h10

O ano era 2014.
Faz tempo, embora não pareça.
Veja abaixo alguns dos acontecimentos e convicções daquele ano para para entender a passagem do tempo:

– A Seleção da Alemanha marcou sete vezes contra o Brasil em pleno Mineirão, durante a Copa do Mundo. Foi a maior derrotada da história do futebol brasileiro;
– Todo mundo tinha certeza que só um técnico experiente poderia salvar a Seleção Brasileira de um fiasco maior para a Copa de 2018, menos a CBF, que contratou o Dunga.
– Barack Obama era o então presidente dos Estados Unidos e dava início a uma reaproximação com a bloqueada Cuba de Raul Castro;
– Fidel Castro estava vivo;
– O Reino Unido ainda integrava a União Europeia;
– Donald Trump era só um empresário e jamais seria presidente dos EUA;
– El Chapo, o mais poderoso traficante do mundo, era preso no México;
– “Êta, Giovana” – a pobre garotinha que foi dançar funk sobre a máquina de lavar e virou meme;
– “Me ajude a entender, Lázaro?”, dizia Criolo ao ator e apresentador. Meme dos bons;
– “Taca-lhe pau nesse carrinho, Marcos”, outro meme memorável daquele ano;
– Essa selfie:

– De novo: o 7 a 1 (é difícil superar);

Pois bem. Neste ano de 2014 o Cachorro Grande lançava o discaço Costa do Marfim, um álbum que rompia algumas barreiras estéticas carregadas desde os estágios embrionários da banda. Aquele rockão blueseiro do grupo, tão no DNA deles, deixou o primeiro plano.

Com Edu K, do DeFalla, na produção, a banda gaúcha incluiu camadas de sintetizadores – toneladas, para ser mais preciso – e uma fusão com alguma psicodelia e até percussões africanas.

Um disco com conceito, com início, meio e fim. Canções alongadas são maioria no álbum – Nós Vamos Fazer Você Ligar, a segunda do trabalho tem quase 11 minutos, veja só.

Costa do Marfim foi um disco criado para ser degustado em vinil. Que a agulha perfurasse os vincos da bolacha e o som fluísse das caixas com exatidão e aquele chiadinho delicioso.

Cachorro Grande (Foto: Rui Mendes)

“Na época o álbum saiu em CD e digital, mas a nossa grande expectativa, desde o início, era o vinil”, relembra o vocalista da banda Beto Bruno. “Seria (um disco) duplo e em 45 rotações, o que melhora muito o som.”

Acontece que uma baita confusão impediu que isso acontecesse – até agora.

Os discos de Costa do Marfim sairiam pelo Selo 180 aqui no Brasil. Mas o caminho, desde o princípio, seria longo.

A ideia era que eles fossem fabricados na GZ Media, uma das melhores e mais conceituadas fábricas de vinis do mundo, sediada na República Tcheca. Mas com o crescimento desse mercado das bolachas, a fábrica já não aceitava pedidos menores.

A saída encontrada foi se juntar ao selo Pirate Press, norte-americano, que costuma reunir pedidos dessas gravadoras independentes e produtores, e manda todos em uma só solicitação para a fábrica no país europeu.

Pois então, Costa do Marfim, o disco dos gaúchos, saiu do Brasil, passou pelos Estados Unidos para, enfim, ter seu destino na República Tcheca. O retorno dele, já em formato físico, contudo, não foi tão simples.

Porque na vinda dos EUA para o Brasil, os discos foram taxados por já virem montados do exterior – é normal que as bolachas venham sem encartes, etc, de fora. Tudo muda, peso, tamanho e tal. O preço do dólar também disparou em 2014.

Ou seja, Costa do Marfim ficou refém. Presos na alfândega, impedidos de sair. Foram taxados como importação ilegal. E iriam para leilão.

Ao longo desse tempo, o Cachorro Grande e o Selo 180 esperaram por esse leilão. Os gaúchos inclusive lançaram um outro álbum, electromod, no ano passado. Quando ocorreu o esperado leilão, arremataram os discos de volta.

E são eles, enfim, lançados na Feira de Vinis & Vitrolas, realizado no Museu da Imagem e do Som, o MIS, neste sábado, 25.

São dois formatos, ambos com acabamento especial,  disco duplo de 180 gramas, capa gatefold (aquelas que se abrem, como um livro) e encarte duplo. A versão “mais simples”, com o vinil preto, sairá por R$155.

Há também uma caixa de luxo, com o LP de cor verde marmorizada e limitadíssima (são 105 unidades apenas). A versão, cujo valor é R$289,90, chega em uma caixa de papelão feita artesanalmente, com fotos do show de estreia do álbum, no bar Opinião, em Porto Alegre, um pôster dos shows no Sesc Pompeia, em São Paulo.

Versão de luxo de Costa do Marfim, disco do Cachorro Grande

“Ouvindo ele hoje, em vinil, parece que estou escutando pela primeira vez. E algumas pessoas que estão ouvido agora, têm a mesma sensação. Era exatamente o som que queríamos na época”, conta Bruno.

O vocalista segue: “Apesar de termos lançado outro álbum logo em seguida, chamado Electromod, o Costa do Marfim ainda soa novo pra nós, até porque as músicas ainda se encaixam no nosso repertório dos shows. Tanto a sonoridade quanto as letras do disco são totalmente atemporais dentro da nossa discografia”.

O vocalista também percebe que o tempo passa para todos, afinal. Dunga não é mais o técnico da Seleção Brasileira e Tite, hoje, colocou o País na Copa do Mundo da Rússia sem maiores problemas. E é melhor nem começa a falar sobre Donald Trump…

+++ Marcelo Gross, do Cachorro Grande, equilibra-se entre o selvagem e o cândido em novo disco

“Reconhecemos que o som da banda já mudou nesse meio tempo, e com certeza nunca mais vamos fazer algo parecido com o Costa do Marfim”, diz Bruno. “Em 2017, o disco ainda ganha muitas pessoas e eu nunca fiquei tão feliz com o resultado de um álbum.”

Para celebrar a chegada, com três anos de atraso, a Cachorro Grande faz uma apresentação gratuita no auditório de lá. Confira mais detalhes no evento criado no Facebook.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: