Elza Soares, Djonga, Cordel do Fogo Encantado e mais 22 discos: os melhores de 2018 para a APCA (até agora)
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Elza Soares, Djonga, Cordel do Fogo Encantado e mais 22 discos: os melhores de 2018 para a APCA (até agora)

Pedro Antunes

10 Agosto 2018 | 09h49

O juri da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) soltou nesta sexta-feira, 10, a pré-lista de melhores discos brasileiros lançados no primeiro semestre de 2018.

(Ou seja, falta muita coisa boa, como os novíssimos álbuns da Carne Doce, Duda Beat e o recém-lançado trabalho da Mahmundi). 

Capas dos 25 melhores discos, segundo juri da APCA (Foto: Montagem/Reprodução)

Mas a lista, produzida por Alexandre Matias, José Norberto Flesch, Lucas Brêda, Marcelo Costa e Roberta Martinelli, dá um panorama do que foi produzido em um ano difícil como 2018 – em todos os sentidos, não na música, especificamente.

A lista, conta o Marcelo Costa, começou com 109 álbuns relevantes. Cada integrante do juri votou nos seus 25 favoritos. O número, então, caiu para 40. E, a partir de muito debate, eles chegaram o número que vemos aqui.

2018, por exemplo, foi ano dos veteranos. Elza Soares, por exemplo, com Deus É Mulher, seguiu o rumo apresentado em A Mulher do Fim do Mundo – um discaço de 2015.

Erasmo Carlos, com Amor É Isso, mostra como o Tremendão também ama e renasce musicalmente com um álbum lindo.

No rap, a APCA destaca a ferocidade de Djonga, com o álbum O Menino Que Queria Ser Deus, e o acerto de Rashid, que montou um álbum single a single. O projeto chamado Em Construção deu certo demais, o rapper cresceu e reuniu tudo no ótimo disco Crise.

Celebramos, também, o feminino, com as forças avassaladoras de Taurina, de Anelis Assumpção, e Trança, de Ava Rocha.

Há o pop quase-pop dos Dingo Bells e Kassin, há o experimentalismo estonteante de Maria Beraldo e seu disco Cavala. Há também o “pop bem pop” de Silva (com o iluminado Brasileiro) e Iza (Dona de Mim).

A lista é grande – são 25, afinal – então, o melhor é ouvir cada um por si só.

(Siga o autor do blog e conheça o ‘Tem um Gato na Minha Vitrola’, um programa de música feito nos stories do Instagram)

Com vocês, os 25 melhores discos nacionais de acordo com a APCA. Boa viagem!

Almir Sater & Renato Teixeira
AR (Universal Music)

André Abujamra
Omindá (Independente)

Anelis Assumpção
Taurina (Pomm_elo / Scubidu)

Autoramas
Libido (Hearts Bleed Blue)

Ava Rocha
Trança (Circus)

Cólera
Acorde, Acorde, Acorde (EAEO Records)

Cordel do Fogo Encantado
Viagem ao Coração do Sol (Fogo Encantado)

Craca e Dani Nega
O Desmanche (Independente)

Dingo Bells
Todo Mundo Vai Mudar (Dingo Bells / Natura Musical)

Djonga
O Menino Que Queria Ser Deus (CEIA Ent.)

Elza Soares
Deus É Mulher (DeckDisc)

Erasmo Carlos
Amor É Isso (Som Livre)

Gui Amabis
Miopia (Independente)

Iza
Dona de Mim (Warner)

Jonas Sá
Puber (Selo Risco)

Juliano Gauche
Afastamento (EAEO Records)

Kassin
Relax (LAB 344)

Malu Maria
Diamantes na Pista (Independente)

Marcelo Cabral
Motor (YB Music)

Maria Beraldo
Cavala (Selo Risco)

Maurício Pereira
Outono No Sudeste

Rashid
Crise (Foco na Missão)

Romulo Fróes
O Disco das Horas (YB Music)

Silva
Brasileiro (SLAP)

Wado
Precariado (Independente)