Aláfia, Boogarins, Criolo, Curumin e mais 21: ouça os 25 melhores discos brasileiros de 2017 até agora, segundo a APCA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aláfia, Boogarins, Criolo, Curumin e mais 21: ouça os 25 melhores discos brasileiros de 2017 até agora, segundo a APCA

Pedro Antunes

05 de julho de 2017 | 12h46

A banda Aláfia já dizia: “São Paulo não é sopa”.

Selecionar os melhores da produção musical em 2017 também não é, mas o júri da APCA, formado por Alexandre Matias, Marcelo Costa e José Norberto Flesch, se propôs mais uma vez a fazê-lo.

Aláfia (Sérgio Castro / Estadão)

Aláfia, com o disco SP Não é Sopa, merece muito mais atenção do que aquela gerada pela polêmica com a TV Cultura. Um álbum com punch, com vozes que gritam o que muitos não querem ouvir. Ocupar um lugar na lista mostra a importância dele para o momento atual.

O hip-hop segue com uma boa safra. Don L lançou Roteiro Pra Aïnouz vol.3, um disco capaz de fazer gente grande chorar. Já Rincon Sapiência transforma música em poesia com Galanga Livre. Criolo, por sua vez, arrisca-se no samba, com Espiral de Ilusão – dança, faz dançar e pensar.

As feridas, meus amigos, estão abertas. E tem muita gente sem medo de colocar o dedo ali e mostrar a dor que dali surge.

Criolo (Amanda Perobeli / Estadão)

Foi um semestre de empreitadas solo. Kiko Dinucci enfim lançou seu Cortes Curtos e Felipe S., do Mombojó, colocou no mundo seu Cabeça de Felipe.

João Donato, lembrado na lista final da APCA do ano passado com Donato Elétríco, entra agora na seleção preliminar com Sintetizamor, criado ao lado de Donatinho.

A lisergia é representada pelo colorido e pessimista Lá Vem a Morte, do Boogarins, e o astral Cosmos, da ótima My Magical Glowing Lens.

Curumin (Ava Rocha)

A lista é cheia de casca-grossas. Trupe Chá de Boldo lançou seu novo trabalho, Verso, e faz show no Sesc Pompeia nesta sexta-feira, 7. Lucas Santtana lançou Modo Avião, Do Amor foi para as cabeças com Fodido Demais e Luiza Lian ousou e fez bonito com Oya Tempo. Curumin voltou (enfim!) com Boca e Alzira E se reuniu com alguns músicos do Bixiga 70 para despejar o ótimo Corte.

Vamos logo para a lista, que está linda. Mergulhe nesses álbuns. E, se quiser, conte o preferido nos comentários.

Aláfia – SP Não é Sopa

Boogarins – Lá Vem a Morte

Corte – Corte

Criolo – Espiral de Ilusão

Curumin – Boca

Do Amor – Fodido Demais

Domenico Lancellotti – Serra dos Órgãos

Don L – Roteiro Pra Aïnouz vol.3

A Espetacular Charanga do França – Chão Molhado da Roça

Felipe S. – Cabeça de Felipe

Giovani Cidreira – Japanese Food

Hamilton de Holanda – Casa de Bituca

João Donato e Donatinho – Sintetizamor

Juliana R – Tarefas Intermináveis

Tarefas Intermináveis by Juliana R.

Kiko Dinucci – Cortes Curtos

Lucas Santtana – Modo Avião

Luiza Lian – Oya Tempo

Matéria Prima – 2Atos

Mopho – Brejo

My Magical Glowing Lens – Cosmos

Rincon Sapiência – Galanga Livre

Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis – Sambas do Absurdo

Trupe Chá de Boldo – Verso

Vermes do Limbo + Bernardo Pacheco – Berne Fatal

Zé Bigode – Fluxo