As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aíla não foge à luta em novo disco perfeito para tempos conturbados; ouça e baixe

Pedro Antunes

06 de setembro de 2016 | 15h51

Álbum ‘Em Cada Verso um Contra-Ataque’, financiado graças ao edital da Natura Musical, será lançado nesta terça-feira, 6, no Teatro Oficina

Com Trelelê, primeiro álbum, a cantora Aíla apareceu como um petardo. Nascida e criada na periferia de Belém, ela chamava atenção pelo vozeirão que pegava de jeito. Um tanto se passou desde aquele 2012, contudo, quando a cantora despontou até 2016. Em termos políticos, inclusive.

E Aíla não foge à (atual) luta. Em Cada Verso um Contra-Ataque, disco que ela lança com show nesta terça-feira, 6, no Teatro Oficina, ela dá seu recado.

Milita. Bate, apanha. Ataca, defende-se. Conta-ataca, por fim.

Clã da Pá Virada, faixa de abertura, além de trazer o verso que dá título ao álbum, é um novo petardo. Desta vez, o necessário para dias sombrios. “Sou nascida na fronteira”, avisa Aíla. “De farda ou a paisana, de terno ou de havaiana, eis o mal”, canta ela nessa canção composta por Posada.

Aíla divide as composições com a mestra Dona Onete em Lesbigay, Roberta Carvalho em Rápido, entre tantas outras parcerias. Com isso o disco não se furta em passear por outros temas. Do racismo à pressa contemporânea, a voz de Aíla canta a ferida.

E o disco segue por outros versos críticos, embebidos em pop e sintetizadores paraenses, numa mistura que Lucas Santtana, produtor do álbum, faz muito bem.

Para dançar – ou melhor, pensar e dançar.

O lançamento de Em Cada Verso um Contra-Ataque será nesta terça-feira, 6, no Teatro Oficina (Rua Jaceguai, 520, Bela Vista, tel.: 11 3104-0678), às 21h. Ingressos a R$ 30.

Ouça Em Cada Verso Um Contra-Ataque (e baixe aqui)

Tudo o que sabemos sobre:

Aílapolíticadownload

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.