Villa-Lobos aquece corações em Petrópolis

Villa-Lobos aquece corações em Petrópolis

Rodrigo Fonseca

17 de novembro de 2019 | 11h59

Apresentação Mestres em Cena – Fotos: Monique Lima

Rodrigo Fonseca
Único território próximo da cidade do Rio de Janeiro (e nem tão próximo assim) onde se pode comprar a versão encadernada de “A espada selvagem de Conan”, hoje transformada em um fetiche para quadrinhófilos, Petrópolis sedia até o fim desta noite a 57ª edição do Festival Villa-Lobos, sediado no Sesc local, e celebrizado como um dos principais bunkers de resistência da música clássica no Brasil. As apresentações estão abarrotadas, mas sempre rola brigar por um ingresso. O trabalho do SESC na preservação da experimentação musical no país tem sido essencial, sobretudo nestes tempos medievais de degola da arte. A boa do dia:
14h | Palco no Lago Local: Sesc Quitandinha Camerata de Violões de Três Rios Felipe Carretiero, regente
16h | Núcleo Pedagógico Local: Sesc Quitandinha | Café Concerto Final do Concurso de Música de Câmara e encerramento do Núcleo Pedagógico
Ainda em Petrópolis, nesta terça, a multiartista com voz de pirlimpimpim Carine Haziel vai passar pelo Sesc daquela singela cidade, às 10h e às 14h, com o espetáculo “Lendas africanas” a fim de encantar crianças de dente de leite e as de bocas banguelas. Será uma jornada de contação de histórias, amor e fantasia.
p.s.: Aposta da Netflix para o Oscar em múltiplas frentes, “História de um casamento” (“Marriage Story”), de Noah Baumbach, vai ganhar uma projeção hors-concours no Festival de Marrakech, que começa no dia 29 de novembro. A maratona cinéfila do Marrocos terá o diretor Kleber Mendonça Filho no júri e o longa “A febre”, de Maya Dar-Rin, sobre um índio que trabalha como vigia no cais de Manaus, como concorrente a prêmios. Filme de abertura de Locarno, o acalmado drama italiano “Magari” (“If only” é seu título mundial), de Ginevra Elkann, vai ganhar uma projeção de gala no evento marroquino.

Tendências: