Varilux em repescagem

Varilux em repescagem

Rodrigo Fonseca

06 de dezembro de 2020 | 06h55

Maïwenn dirige e estrela “DNA”

RODRIGO FONSECA
Apesar de o FESTIVAL VARILUX já ter acabado, alguns filmes da maior maratona francófona de cinema das Américas seguem em cartaz em metrópoles como RJ e SP. Confira a seguir algumas atrações do evento pilotado por Emmanuelle e Christian Boudier que ainda podem ser curtidas em tela grande no Brasil.

A FAMOSA INVASÃO DOS URSOS NA SICÍLIA, DE LORENZO MATTOTTI: “La Fameuse Invasion De La Sicile Par Les Ours” tem sessão na quarta-feira no Cinemark Pátio Higienópolis (SP), às 19h40, narrando o périplo do Rei Urso para resgatar sua cria. Na única animação deste Varilux, o monarca invade uma cidade atrás de seu filhote, contando com a ajuda de um mágico e de uma jovem para levar seu rebento à vida na natureza. A trama, que explora o conflito entre culturas, baseia-se na literatura de Dino Buzzati.
GAGARINE, DE FANNY LIATARD E JÉRÉMY TROUILH: Em cartaz no Festival do Cairo, chancelado por Cannes, este drama sobre sequelas da gentrificação terá projeção na terça, às 19h30, no Cinemark Villa Lobos (SP). Seu título faz jus a um ídolo da corrida espacial. Xará na sonoridade e na coragem do cosmonauta russo Yuri Gagarin (1934-1968), famoso por ter sido o astronauta pioneiro na viagem ao espaço, o adolescente Youri (Alseni Bathily) herda de seu ídolo um instinto de preservar a glória de seus conterrâneos na batalha do dia a dia contra o Capitalismo. Sua missão em “Gagarine” é proteger seu complexo habitacional. Este, situado nos arredores de Paris, foi batizado em tributo ao viajante estelar da URSS como Gagarine, com a aprovação municipal do Partido Comunista Francês. O explorador do espaço teve a honra de o inaugurar em 1963. Seus blocos de apartamentos (370, divididos em 13 andares) foram desintegrados da paisagem da periferia e seus habitantes acabaram sendo realojados, mas as memórias persistiram no local até sua demolição. Mas Youri faz o que pode para impedir essa destruição.
DNA, DE MAÏWENN: Um dos longas-metragens mais aclamados do Festival de San Sebastián, na Espanha, este ano, o novo longa-metragem da realizadora de “Políssia” (2011) é uma doída reflexão sobre afirmação de identidades culturais. Tem sessão dele nesta segunda, às 17h15, no Estação NET Botafogo (RJ). A própria Maïwenn protagoniza o drama de Neige, uma francesa de origem argelina que põe suas raízes franceses em xeque após a morte do patriarca de seu clã. Louis Garrel é um dos destaques do elenco, vivendo um amigo carinhoso de Neige.
BELLE ÉPOQUE, DE NICOLAS BEDOS: “La Belle Époque” tem quatro sessões neste domingão, às 14h, 16h30, 19h e 21h20, no Espaço Itaú de Botafogo (RJ), onde fez história neste Varilux, configurando-se como “O” sucesso do evento. Em Cannes, em 2019, ele foi aplaudido de pé, em uma projeção especial, tendo contabilizado 1.000.000 de pagantes em circuito na França. Daniel Auteuil é um quadrinista que, após ser abandonado pela mulher (Fanny Ardant), vai atrás dos serviços de uma empresa que recria passados, em um estúdio de cinema. Ele quer reviver o primeiro encontro com sua amada. Mas essa “volta no tempo” terá consequências graves.

p.s.: Ganhador da Palma de Ouro de 1984, “Paris, Texas”, de Wim Wenders, está em cartaz na MUBI, tendo Harry Dean Stanton como um andarilho errante sem lembranças de um passado com mulher e filho que deixou para trás. O roteiro é assinado pelo dramaturgo Sam Shepard.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.