Uma paixão intrínseca ao cinema: ‘Me Chame Pelo Seu Nome’ ‘estreia’ nas livrarias

Uma paixão intrínseca ao cinema: ‘Me Chame Pelo Seu Nome’ ‘estreia’ nas livrarias

Rodrigo Fonseca

11 Janeiro 2018 | 13h49

Editora de mega-sellers, a Intrínseca caprichou na tradução e na diagramação de “Call Me By Your Name”

Rodrigo Fonseca
Eis o primeiro grande lançamento do mercado editorial brasileiro em 2018: com o capricho que lhe é peculiar, a Intrínseca acaba de lançar o aclamado romance do escritor americano André Aciman, o mel Me Chame Pelo Seu Nome, transformado em filme (aliás, filmaço) pelo cineasta italiano Luca Guadagnino. Com estreia no Brasil marcada para o próximo dia 18, o longa-metragem do diretor de Um Sonho de Amor (2011) é uma love story daquelas de arrancar suspiros, ambientada na Itália dos anos 1980. Sua primeira exibição se deu no Festival de Sundance, seguido de projeção na Berlinale, onde lotou salas de exibição. Estima-se uma série de indicações ao Oscar para o elenco e para o roteiro, que traz a grife de James Ivory. O livro ganhou no Brasil uma delicada tradução de Alessandra Esteche, cuidadosa com as sutilezas do texto de Aciman.

A paixão move o músico Elio (Timothée Chalamet) e o estudante Oliver (Armie Hammer) na Itália dos anos 1980

Coroado com 41 prêmios internacionais de janeiro de 2017 até agora, incluindo quatro indicações ao Bafta, o Oscar inglês, Call Me By Your Name (no original) revive o clima quente da Itália de 1983, quando o jovem músico Elio (Timothee Chalamet), põe suas convicções sexuais e afetivas em xeque ao se encantar por um orientando (Armie Hammer) de seu pai. Este é interpretado por Michael Stuhlbarg, da série Broadwalk Empire, que tem uma atuação impecável. O orçamento do filme, segundo o site IMDB, é estimado em €4 milhões. E sua bilheteria nos EUA beira US$ 6 milhões. Um dos produtores do longa foi o carioca radicado em SP Rodrigo Teixeira (de A Bruxa).

“Existe um cuidado com a fotografia para resgatar da prosa de Aciman seu tom de carta de amor”, disse Guadagnino ao P de Pop em sua passagem pelo Festival do Rio. “Filmamos a trama em maio de 2016, na temporada mais chuvosa que Cremona já teve em anos. A chuva poderia ter colocado todo o nosso projeto a perder. Mas nós decidimos aproveitar a chuva natural como parte da narrativa, calcada na beleza”.

Guadagnino está finalizando uma nova versão de Suspiria, o cult de Dario Argento, que, no remake, terá Tilda Swinton e Chloë Grace Moretz como estrelas principais. Estima-se que este exercício do diretor nas veredas do horror vá estrear no Festival de Berlim, cuja 68ª edição vai de 15 a 25 de fevereiro, na capital alemã.