Trinity voltou: Berlim abre Museu Bud Spencer

Trinity voltou: Berlim abre Museu Bud Spencer

Rodrigo Fonseca

19 de março de 2021 | 10h34

RODRIGO FONSECA
Italiano de Nápoles, nascido Carlo Pedersoli mas amado no mundo todo sob um pseudônimo americano, Bud Spencer (1929-2016) vai ganhar um museu na Alemanha, em junho, dedicado à sua trajetória pelas veredas do Velho Oeste, da comédia e da aventura nos filmes da franquia “Trinity” – ao lado de Mario Girotti, o eterno Terence Hill – ou em peripécias solo, como o belo “Banana Joe” (1982). O Bud Spencer Museum vai funcionar em Roemischer Hof, em Unter den Linden, a avenida que leva ao Portão de Brandenburgo, no coração de Berlim. Lá estarão fotos, cartazes e uma série de memorabílias dos 54 longas estrelados pelo astro, como o buggy vermelho com capuz amarelo do sucesso “Dupla Explosiva” (1974), além de uma estátua dele em tamanho real. Vai ser uma instituição nos moldes do museu em sua homenagem criado em solo napolitano, com toda a eficiência germânica. Os alemães amam Spencer, tendo produzido cults com ele, como o bem-humorado thriller “Matar é Meu Negócio, Querida (“Mord ist mein Geschäft, Liebling”, 2009). O mesmo amor se estende a Hill, que completa 82 anos no dia 29 de março, e segue filmando, sobretudo na Alemanha, onde rodou “Meu Nome É Thomas”, em 2018. Hill também faz séries, como “Don Matteo”, a saga de um padre detetive que ele estrela desde 2000, para a produtora Lux Vide e pro canal Rai 1. Já o último trabalho de Spencer foi o seriado “I Delitti Del Cuoco”, das emissoras Canale 5 e RTL. A parceria deles nos cinemas teve como motor de arranque “Os 4 da Ave Maria” (1968), de Giuseppe Colizzi. E dela derivaram fenômenos como “A Colina dos Homens Maus” (1969) e “Trinity É Meu Nome” (1970), no horizonte do western, e policiais como “Dois Tiras Fora de Ordem” (1977). Spencer fez ainda parceria com Giuliano Gemma em “Os Anjos Também Comem Feijão” (1973). No Brasil, o ator foi imortalizado na voz do dublador Silvio Navas.

p.s.: “Executive Order”, título em inglês de “Medida Provisória”, o primeiro longa-metragem dirigido por Lázaro Ramos, está fazendo um barulho gigante nos festivais dos EUA, começando pelo South By Southwest (SXSW), em Austin.

p.s.2: Nesta sexta-feira vai ter debate sobre o legado do ator Steve McQueen no YouTube, às 19h, com a presidente da Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro (ACCRJ) Ana Rodrigues. Conversam com ela dois áses da crítica: Mario Abbade e Ricardo Cota.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.