Téchiné (dos bons) inédito na tela nesta quinta

Téchiné (dos bons) inédito na tela nesta quinta

Rodrigo Fonseca

10 de setembro de 2019 | 08h50


RODRIGO FONSECA
Um dos mais inquietantes realizadores da velha jovem guarda da França, revelado na segunda geração dos gênios da crítica da “Cahiers du Cinéma” e da Nouvelle Vague, André Téchiné vai dar o ar das Graças em circuito brasileiro a partir desta quinta-feira, com a estreia do poderoso “Adeus à noite”, uma das sensações da Berlinale. Aos 76 anos de vida, 54 de carreira, o diretor de “Minha estação preferida” (1993) regressa ao circuito com um misto de thriller e dramalhão raspando na discussão sobre fundamentalismos políticos islâmicos.
“Jamais começo um filme com um final predefinido na cabeça, pois rodo cada plano como se ele fosse um curta-metragem, com vida própria, autonomia. É na montagem que eu busco a narrativa que cadenciará aquelas imagens”, disse o diretor, ao ser homenageado em Cannes, a reboque da projeção de “Nos années folles”, em 2017. “Contar uma história é a última das minhas preocupações ao construir um filme: há as sensações, as reflexões, as buscas”.

Téchiné, aos 76 anos: em 1985, ele ganhou o prêmio de direção em Cannes com “Rendez-vous”, coroando uma carreira iniciada em 1965


“L’Adieu à la nuit”, exibida fora de concurso na Berlinale, em fevereiro, ampara-se em uma atuação formidável de Catherine Deneuve. Ela vive uma criadora de cavalos, num rancho do interior, que recebe a visita de seu neto, Alex (Kacey Mottet Klein), para o que parece ser uma despedida. O rapaz diz a família que está indo para o Canadá. Mas Muriel, a personagem de Catherine, logo se dá conta de que há algo torto nesta história, uma vez que o jovem converteu-se ao Islã e faz disso uma bandeira de revanchismo. “Existe uma inteligência inerente ao tempo, e às cacetadas da vida, inegável nas ações dessa mulher discreta que Muriel é. Mas existe também muita tolerância em seus atos. Tolerância que dá lugar à apreensão”, disse a veterana atriz em Berlim, sem jamais criticar as escolhas éticas dos signatários das causas do Islã.
Téchiné é o primeiro a ressaltar a posição sem julgamentos morais de “L’Adieu à la nuit”. “O que mais me interessa aqui é estudar as reações dessa mulher ligada à terra, ao campo, e ver como tudo ao seu redor muda. A curiosidade é saber o que ela pode fazer para salvar o neto”, disse ele em Berlim.

Laureado em Cannes, em 1985, pelo brilhante “Rendez-vous”, obra-prima de uma trajetória artística iniciada em 1965, o cineasta confiou à trilha sonora de “Adeus…” a Alexis Rault, que apresenta uma partitura memorável. Em sua estreia na França, o longa vendeu 100 mil ingressos, consolidando a força comercial do cineasta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: