Taylor Kitsch filma thriller no Brasil

Taylor Kitsch filma thriller no Brasil

Rodrigo Fonseca

12 de julho de 2019 | 11h26

Rodrigo Fonseca
Astro do subestimado “John Carter: Entre dois mundos” (2012), baseado no legado sci-fi de Edgar Rice Burroughs, o canadense Taylor Kitsch vai protagonizar um thriller de ação meio brasileiro, meio francês, a ser rodado integralmente em SP: “D.O.A. – Morto ao chegar”. O astro vai viver um franco-atirador inglês incumbido de executar um alvo em São Paulo, numa missão que pode sair errado depois que ele é envolvido num jogo sádico. O projeto nasceu de uma parceria da Franco Filmes com a Daïgaro Films, assinada por Ailton Franco e Raphael Cohen, e vai sair do papel entre outubro e dezembro de 2019, sendo rodada ao longo de quatro semanas, entre janeiro e março de 2020, por ruas e telhados da capital paulista. A direção é do francês Julien Seri (do cultuado ensaio sobre parkour “Yamakasi – Les samouraïs des temps moderne”), com distribuição feita pela Wild Bunch.
Super-herói do curta-metragem nacional, Franco, o responsável pela mostra Curta Cinema, conversou com o P de Pop sobre o longa:

Como foi idealizada essa coprodução e que espaços de locação brasileiros já estão assegurados?
Ailton Franco: Esta coprodução foi pensada desde o início como uma parceria entre a Daïgaro Films e a Franco Filmes de realizar uma série de filmes de ação, para grande público, tendo o Brasil como locação principal. Essa parceria se iniciou em 2015, mas, agora com as chamadas de coprodução internacional, o incremento em coproduções é mais plausível.
Qual é o maior desafio de se fazer um filme de ação no Brasil?  O quanto de engenheira de ação (direção de segunda unidade, efeitos especiais serão usados)?
Ailton Franco: O principal desafio é ter uma diversidade maior de profissionais para que tudo seja realizado no país, desde dublês como coreografia de lutas, equipamentos e todos os serviços necessários para os efeitos (perseguição de carros, lutas, etc).
Já existe um elenco brasileiro? Qual será? Qual é a importância de se ter Taylor Kitsch filmando aqui?
Ailton Franco: Ainda vamos iniciar a seleção do elenco brasileiro. Estamos aguardando o financiamento da parte brasileira para iniciar a pré. No caso do projeto “D.O.A. – Morte ao chegar”, o Taylor Kitsch será o protagonista, atuando como sniper.

p.s.: Se você quiser tirar a prova do quão bom ator Taylo Kitsch é – e do acerto que é, para o país, a presença de um bom ator internacional como ele por aí – confira o longa-metragem da HBO “The Normal Heart” e veja a participação dele nesse delicado drama anti-homofobia.

p.s.2: Às 14h desta sexta-feira, a TV Globo exibe, na “Sessão da Tarde”, o quindim “Como se fosse a primeira vez” (“50 First Dates”, 2004), com Miriam Ficher dublando Drew Barrymore e com Alexandre Moreno emprestando a voz de veludo a Adam Sandler.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.