Superfilme de trevas e de aço: ‘Batman vs. Superman’

Superfilme de trevas e de aço: ‘Batman vs. Superman’

Rodrigo Fonseca

24 de março de 2016 | 01h36

Batman vs. Sjuperman 13

 

Para brigar de igual para igual com a Marvel nas telas, agora que não conta mais com o gênio de Christopher Nolan à frente do Homem-Morcego, a DC Comics resolveu fazer sua “Casa dos Artistas” e colocar todos os seus pesos-pesados num filme só, a fim de encarar a Guerra Civil dos Vingadores de Stan Lee. De uma narrativa febril, capaz de modular ação e razão com equilíbrio, Batman vs. Superman: A Origem da Justiça é um rascunho para uma leva de filmes de equipe que a editora planeja, via estúdios Warner Bros., para os próximos anos, incluindo o esperado Esquadrão Suicida, previsto já para agosto, com Will Smith de Pistoleiro e Jared Leto de Coringa. O que o longa-metragem centrado no confronto do último filho de Krypton contra o Cruzado de Gotham City dá de mais valioso à comunidade cinéfila é a evolução autoral de seu realizador: Zack Snyder. Ao longo dos últimos 12 anos, desde sua consagração popular com o horror  Madrugada dos Mortos (2004), o cineasta se destacou como uma espécie de profeta do niilismo, retratando a derrocada da esperança e a fé no heroísmo. Aqui, ele quebra mitos das HQs a fim de promover um ensaio sobre o desamparo, apoiado no empenho de Ben Affleck para provar ser um bom Bruce Wayne. O esforço compensa: a atuação dele convence e empolga, além de fazer avançar a representação cinematográfica do personagem de Bob Kane e Bill Finger para além das fronteiras do trauma existencial. E a interpretação de Jessé Eisenberg como um Lex Luthor que baba de loucura consegue amplificar um vilão imortalizado pelo talento de Gene Hackman. Belo trabalho Snyder fez.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.