‘Sonhos De Uma Vida’: Sally Potter na Amazon

‘Sonhos De Uma Vida’: Sally Potter na Amazon

Rodrigo Fonseca

18 de fevereiro de 2021 | 11h54

Rodrigo Fonseca
Mais comovente de todos os concorrentes ao Urso de Ouro de 2020, centrado no empenho de uma jovem para resguardar o pai de um processo de perda de lucidez, “Sonhos de uma Vida” (“The Roads Not Taken”) chegou à streaminguesfera, vitaminado o cardápio da Amazon Prime. É o trabalho mais visceral da diretora inglesa Sally Potter, consagrada por “Orlando, a Mulher Imortal” (1992), que foi indicado aos Oscars de direção de arte e figurino. Em seu longa-metragem mais recente, a cineasta londrina de 71 anos fala da luta contra o Alzheimer, a demência e outras formas de erosão da memória. O que Mrs. Potter exorcizou com esse longa-metragem protagonizado por Elle Fanning, Javier Bardem e Salma Hayek foi sua luta para apoiar seu irmão mais moço, que perdeu não apenas suas lembranças como a capacidade distinguir a realidade à sua volta.
“Acompanhei essa batalha dele de perto e percebi o sofrimento que foi para ele e para todos nós que o amávamos. Este filme é uma forma de entender como a demência afeta toda uma rede de relações”, disse Sally ao Festival de Berlim, em fevereiro, quando levou multidões às lágrimas com uma narrativa de 85 minutos. “O cinema precisa estar atento às incongruências”.
Ela sempre é enxuta em seus filmes, como explicou em uma entrevista ao Estadão em 2017, quando lançou “A Festa”. “Nos últimos tempos, os filmes andam longos demais para tão pouco a dizer. Ser econômico é uma virtude quando se lida com dramaturgia pois o tempo da narrativa, que espelha o tempo da vida, não pode ser perdido. Diante de uma narrativa condensada, o público não perde o seu foco, nos personagens e naquilo de político que eles representam”, disse Sally, hoje já ocupada com um novo projeto: “Alba”, sobre uma família ligada a uma expedição arqueológica.
Vai ser uma trama sobre a memória, assunto mais recorrente dela, que entra em “Sonhos de uma Vida” como um patrimônio dos afetos. O longa deu à atriz Salma Hayek a chance de expor toda a sua maturidade como atriz. Ela vive Dolores, um amor do passado do escritor Leo (papel de Bardem), que está perdendo a consciência devido a um estado de demência. Elle Fanning encarna a filha de Leo, que tenta ajudar o pai.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.