Robert Pattinson no crepúsculo do macho em ‘Damsel’

Robert Pattinson no crepúsculo do macho em ‘Damsel’

Rodrigo Fonseca

17 de junho de 2018 | 04h32

Rodrigo Fonseca
É tempo de Robert Pattinson nas telas. Ocupado com as filmagens do terror The Lighthouse, sob a direção de Robert Eggers (de A Bruxa) e a produção de Rodrigo Teixeira (de Tim Maia), o ator inglês deve ser a sensação do Festival de Veneza à frente de High Life, sci-fi de Claire Denis supercotada ao Leão de Ouro. Mas, antes, ele volta às telas no bangue-bangue cômico Damsel, que estreia daqui a uma semana nos EUA, depois de concorrer ao Urso de Ouro em Berlim. Terreno historicamente dominado por signos de masculinidade, o cinema de faroeste não está imune às discussões acerca do empoderamento feminino: o filão foi desbravado por uma heroína avessa a machismos no divertido filme dos irmãos David e Nathan Zellner. Numa atuação abusada, que evoca a Jane Fonda do cult Cat Ballou – Dívida de Sangue (1965), Mia Wasikowska divide a cena com o inspirado Pattinson, disposto a fazer troça de sua própria imagem de galã. Mia faz de sua personagem, Penelope, uma heroína pós-modena, avessa às convenções dos homens neste Oeste com tintas de chanchada. Ela é o fetiche do aventureiro Samuel Alabaster, vivido pelo eterno vampiro de A Saga Crepúsculo.

“É bom rir onde se espera brutalidade. Fizemos comédia no Velho Oeste, o que é raro. Mas gosto muito de um clássico, chamado Onde os Homens São Homens (com Warren Beatty), por mostrar que é possível irmos além do maniqueísmo de mocinhos e bandidos naquele universo regido pela honra”, disse o ator. “Gosto de roteiros que surpreendem principalmente quando nos botam diante as convenções de gênero”.

Antes de Berlim, onde arrancou gargalhadas, Damsel passou por Sundance.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: