Primeiros concorrentes à Concha de Ouro no ar

Primeiros concorrentes à Concha de Ouro no ar

Rodrigo Fonseca

19 de julho de 2021 | 15h56

“Distancia de Rescate”, da peruana Claudia Llosa

Rodrigo Fonseca
Em meio à notícia de que o novo Almodóvar, “Madres Paralelas”, vai abrir o 78º Festival de Veneza (1º a 11 de setembro), o planisfério cinéfilo é sacudido ainda pela notícia da primeira safra de atrações de San Sebastián, a ser realizado na Espanha, daqui a dois meses. Na 69ª edição do evento do norte espanhol, um time de realizadores e realizadores classe AA vai entrar na briga pela Concha de Ouro de 2021, incluindo o ganhador da Palma dourada de 2008, o francês Laurent Cantet, e a ganhadora do Urso dourado de 2009, Claudia Llosa. Ele volta com “Arthur Rambo”, sobre um poeta e escritor obrigado a lidar com as consequências de uma mensagem de ódio nas redes sociais. Ela regressa com “Distancia de Rescate”, uma releitura da literatura de Samanta Schweblin, mesclando narrativas de fantasmas à história do calvário de uma mulher. Ao lado deles, há o veteraníssimo diretor inglês Terence Davies, de 75 anos, premiado em solo cannoise por “Vozes Distantes” (1988). Seu novo filme, “Benediction”, é a biografia do soldado e poeta antibelicista Siegfried Sassoon, que desafiou o ethos militar da I Guerra Mundial.
Acostumada a misturar ficção e documentários, em seus filmes, a francesa Claire Simon (de “Gare du Nord”) vai à terra dos pintxos (nome dado aos acepipes da culinária local) com “Vous ne désirez que moi”, pautado numa entrevista entre a jornalista Michèle Manceaux e o filósofo Yann Andrea, amante da escritora Marguerite Duras. Contemporânea de Claire, Lucile Hadzihalilovic vai competir com “Earwig”. Aclamada por “Inocência” (2004), a cineasta recria a Europa de meados do século XX para narrar a saga de um homem contratado para cuidar de uma exótica jovem. Uma das vozes mais inquietas do novíssimo cinema argentino, Inés Barrionuevo (“Julia y el Zorro”) entra nos gramados hispânicos com “Camila Saldrá Esta Noche”, sobre uma jovem que se muda para Buenos Aires e reinventa sua vida, em meio às descobertas da juventude.

“Arthur Rambo”, de Laurent Cantet

Estreantes também prometem brilhar em San Sebastián, como é o caso da atriz e roteirista romena Alina Grigore, que vai concorrer com “Crai nou” (“Blue Moon”), drama sobre uma jovem oprimida por sua família. Outro talento recém-chegado à direção de longas é Zhang Ji, um fotógrafo chinês que vai brigar pela Concha com “Ping Yuan Shang De Mo Xi” (“Fire on the Plain”), um thriller sobre uma investigação sobre um crime antigo que não foi resolvido. Também iniciante na realização, a escandinava Tea Lindeburg disputa com “Du som er i himlen” (“As in Heaven”), sobre o nascimento do nono filho de um casal, na Dinamarca do século XIX.

p.s.: O diretor Fabio Fortes estreia, nesta sexta-feira, uma adaptação virtual da premiada peça “Conselho de Classe”, de Jô Bilac. O texto, que inspirou a série “Segunda chamada”, da Globo, reflete sobre a precariedade do ensino público no país e as relações de poder nas escolas. Nesta montagem, as atrizes Carmen Frenzel, Dárdana Rangel, Jacqueline Lobo e Vivian Sobrino vivem um grupo de professoras que têm uma atribulada reunião virtual com o novo diretor de uma escola pública, interpretado por Fábio Enriquez. “Eu e os atores adaptamos a peça para o ambiente virtual, levando em conta os novos desafios enfrentados pelos professores e alunos durante a pandemia, com aulas virtuais e o uso da tecnologia. Eu e todo o elenco somos professores, além de atores, e queremos refletir como a educação no nosso tempo está ultrapassada”, observa o diretor Fabio Fortes. Com sessões ao vivo de sexta a domingo, às 20h, o espetáculo será exibido gratuitamente no Youtube do festival Niterói em Cena (https://bit.ly/2YU6VzI), com possibilidades de contribuição voluntária.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.