‘Pontos Corridos’ mete golaço em Tiradentes: curta hilário

‘Pontos Corridos’ mete golaço em Tiradentes: curta hilário

Rodrigo Fonseca

21 Janeiro 2018 | 12h11

“Pontos Corridos”: um filme que flana pelo Botafogo, por “Listen To Your Heart” e pela memória do pop

Rodrigo Fonseca
Apesar de a participação carioca na 21ª Mostra de Tiradentes estar microscópica, em termos quantitativos, um filme do Rio de Janeiro consagrou-se como a mais vívida descoberta do festival mineiro até agora: Pontos Corridos, de Júlio Bezerra. Atrás e na frente das câmeras, Bezerra arrebatou gargalhadas e quilos de aplausos com uma bem-humorada reflexão sobre a onipresença do pop em nossa compreensão do mundo e dos afetos. Um bate-papo entre pai e filho, no qual o time do Botafogo serve como metáfora sobre a arte de perder, evolui para um diálogo com a cultura MTV e Vevo, usando a dinâmica de linguagem do youtube em sua linguagem.

Organizada sob a curadoria de Cléber Eduardo e Lila Foster, a Mostra de Tiradentes segue até 27 de janeiro, com 102 produções em seu cardápio, das quais sete, dirigidas por jovens realizadores, estão em concurso na seção Aurora, que começa nesta segunda. Nela concorrem: Ara Pyau – A Primavera Guarani (SP), de Carlos Eduardo Magalhães; Imo (MG), de Bruna Scheld Corrêa; Dias Vazios (GO), de Robney Bruno Almeida; Baixo Centro (MG), de Ewerton Belico e Samuel Marotta; Rebento (PB), de André Morais; Lembro Mais Dos Corvos (SP), de Gustavo Vinagre; e Madrigal Para Um Poeta Vivo (SP), de Adriana Barbosa e Bruno Mello Castanho. Nas programações paralelas à competição, o grande destaque até agora é Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans, sobre a cena operária de MG.