Pingyao, a princesinha dos festivais do Oriente

Pingyao, a princesinha dos festivais do Oriente

Rodrigo Fonseca

25 Junho 2018 | 16h51

“Ash is purest white” é o inédito de Jia Zhang-Ke, diretor do festival que pode revolucionar a Ásia nas telas

Rodrigo Fonseca
Envolvido neste momento com a participação do drama Ash Is The Purest White, seu filme mais recente, no Festival de Munique 2018 (28 de junho a 7 de julho), o cineasta chinês Jia Zhang-ke tem uma empreitada de peso preparada para outubro: em parceria com o curador Marco Müller, eles precisam fazer do Pingyao International Film Festival, ou apenas PYIFF, “o” evento do gênero na Ásia. Dizem por aí que Shadow, o novo longa-metragem de Zhang Yimou vai estrear mundialmente lá: evento de Pingyao dura de 11 a 20 de outubro. Tem gente falando que os 20 anos de Central do Brasil serão comemorados lá, em função da amizade entre Jia e Walter Salles. Mas nada… nadinha… foi confirmado. Sabe-se apenas que o evento dos chineses, com Marco, terás as seguintes seções:

Crouching Tigers: Dedicada a estreantes; Hidden Dragons: Um fórum para filmes de gênero;
Galas: Novos filmes de diretores aclamados; Best of Fest: um apanhado do que se viu de melhor nos outros festivais do mundo; New Generation China: A prata da casa; Retrospective : A Nova Onda Soviética dos anos 1960 e 70.

Que haja lugar para o Brasil.