Pérolas da África na tela do Cine Joia

Pérolas da África na tela do Cine Joia

Rodrigo Fonseca

02 de junho de 2017 | 14h03

“Aujourd’hui” expõe a pobreza do Senegal

RODRIGO FONSECA
Poucas conquistas recentes do circuito exibidor brasileiro podem acrescentar tanto à formação do olhar de novos e velhos cinéfilos quanto a retrospectiva Joias do Cinema Africano que o Cine Joia, o maior bunker de resistência autoral entre as telas do Rio de Janeiro, acaba de anunciar. Serão oito longas-metragens em projeção, na telona de Copacabana, entre 22 de junho e 5 de julho. O melhor do pacote é Aujourd’hui (Hoje), produção de 2012 sobre a realidade social do Senegal.

Dirigido pelo francês de origem africana Alain Gomis, este drama de um realismo entulhado de lixo, pobreza e exclusão narra o périplo de um condenado à morte que, à espera da Indesejada das Gentes e de sua sentença, resolver viver um dia de prazer e alegria.

“Existe uma linhagem de diretores africanos, como o grande Souleymane Cissé, que nos deixou como legado a tradição de filmes onde a imagem é o que existe de soberano na linguagem do audiovisual, mais do que o diálogo, mais do que todo o resto”, explicou Gomis ao P de Pop durante o Festival de Berlim deste ano, onde ganhou o Grande Prêmio do Júri por Felicite. “Mas eu não quis fazer um filme para o Passado, para conversar com quem veio antes de mim, e sim para falar com as novíssimas gerações de jovens africanos que não viram nosso cinema em salas de cinema”.

Eis um gostinho da programação do Joia:

Carta de Amor à Zulu (2004, 105’, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: Ramadan Suleman

Sinopse:  Em uma Joahannesbourg eufórica dois anos depois das primeiras eleições democráticas, Thandeka, uma jornalista negra de 30 anos, vive assombrada pelo passado de seu país ao ponto de não conseguir ir trabalhar e ir fracassando no relacionamento com a sua filha, Mangi, de 13 anos surda e muda. Até o dia em que uma senhora, Me’Tau, aparece no jornal. Dez anos antes, Thandeka testemunhou o assassinato de sua filha por uma equipe da polícia secreta. Me’Tau quer que Thandeka lhe ajude a achar os culpados e que dê o seu testemunho frente a Comissão da Verdade e Reconciliação, a fim de que os restos de sua filha possam ser encontrados e enterrados conforme a tradição. Mas o que essas mulheres ignoram é que os três assassinos continuam por perto. O que Me’Tau não sabe é que Thandeka já pagou por essa história, por ter ousado enfrentar a máquina branca do apartheid.

Sessões: 22.06 – 15:15; 26.06- 16:00; 29.06 – 15:15; Dia 02.07 – 15:15; 05.07 – 19:00

Aya (2011, 85’, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: Clément Oubrerie, Marguerite Abouet

Sinopse: Aya e suas amigas, Adjoua e Bintou vivem em Abidjan, na Costa do Marfim. Todas possuem a idade da liberdade, 19, porém enquanto Adjoua e Bintou preferem aproveitar essa virtude saindo à noite e procurando um marido, Aya tem outra ambição: ser médica.

Sessões: 23.06 – 19:00; 26.06 – 18:00; 30.06 – 15:15; 03.07 – 20:00

 

Yema (2012, 90’, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: Djamila Sahraoui

Sinopse: Uma pequena casa abandonada, isolada no interior da Argélia. Ouardia lá se encontra, depois de anos fora, para enterrar seu filho Tarik, um militar. Ela suspeita que seu outro filho, Ali, líder de um grupo extremista islâmico, de tê-lo assassinado. Nesse universo ferido pela tragédia, a vida vai pouco a pouco encontrando seu caminho.

Sessões: 23.06 – 15:15; 26.06 – 20:00; 02.07 – 19:00; 04.07 – 15:15;

 

Hoje (2012, 86’, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: Alain Gomis

Sinopse: Um cativante retrato, visualmente exuberante e poético, do Senegal através de um dia na vida de um homem que aguarda sua sentença de morte por um julgamento. Ele então decide fazer do seu último dia, o melhor de todos.

Sessões: Dia 24.06 – 19:00; 27.06 – 15:15; Dia 03.07 – 18:00; Dia 05.07 – 15:15

 

A Morte do Deus Serpente (2014, 90’, Documentário)

Direção: Thi Tham Nguyen – Classificação: 16 anos

Sinopse: Após uma briga de rua, Kouba, um jovem de 20 anos, é expulso para o Senegal. Mesmo vivendo na França desde os dois anos de idade, ela foi negada ao solicitar nacionalidade francesa ao atingir a maioridade. Em 48 horas, a jovem inquieta se torna uma aldeã senegalense perdida na selva longe de sua família e sua vida em Paris.

Sessões: 27.06 – 19:00; 30.06 – 19:00; 04.07 – 19:00

 

Pégaso (2009, 104, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: Mohamed Mouftakir

Sinopse: Zineb trabalha em um asilo psiquiátrico. Seu superior lhe confia Rihana, uma jovem menina aterrorizada que pensa estar grávida. A missão de Zineb consiste em fazê-la falar. Rihana não coopera, acreditando que foi engravidada por Zayd, um jovem homem de sua cidade. Para ela, isso é fruto da obra do Senhor Cheval, um espírito venerado por seu pai. Zineb não sabe se a menina mente, diz a verdade ou refugia-se em um mundo imaginário e fantástico. Ela aos poucos perde o controle da situação e a história ganha outros rumos.

Sessões: 25.06 – 19:00; 28.06 – 15:15; 01.07 – 15:15; 03.07 – 14:00

 

Viva Riva! (2010, 98’, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: Djo Tunda Wa Munga

Sinopse: Em um país problemático onde tudo está a venda, Riva tem o que todos querem. Sendo um homem com muito carisma e ambição, tenta colocar as mãos no que todos desejam: petróleo. Onde até a igreja é capaz de tudo para conseguir o que quer, Riva terá que agir sem se apaixonar por uma mulher que pertence a outro homem.

Sessões: 24.06 – 15:15; 26.06 – 14:00; 29.06 – 19:00

 

Nothing but the Truth (2009, 77’, drama)

Classificação: 16 anos – Direção: John Kani

Sinopse: Uma investigação acerca da complexa dinâmica que se estabeleceu entre os negros que permaneceram na África do Sul, e arriscaram sua vida lutando contra o Apartheid e aqueles que retornaram vitoriosos após viverem no exílio.

Sessões: 25.06 – 15:15; 03.07 – 16:00