Pedro Vasconcelos e a poesia da escuta

Pedro Vasconcelos e a poesia da escuta

Rodrigo Fonseca

30 de junho de 2022 | 14h31

Rodrigo Fonseca
Cineasta campeão de bilheteria, com blockbusters como “O Concurso” (2013) e “Fala Sério, Mãe!” (2017) em seu currículo, o ator e diretor Pedro Vasconcelos anda atraindo as atenções das redes sociais com um curso motivacional no qual transforma sua relação às artes numa cartografia de sentimentos e planejamentos. https://pedropontodevirada.com.br/workshop/ é a URL em que ele propõe suas aulas.
Qual é a proposta deste teu curso numa dimensão mais humanista e qual é o lugar da arte nas experiências que você troca?
Pedro Vasconcelos:
Esse trabalho que faço hoje nada mais é do que transmitir conhecimento, por meio de minha experiência de vida e dos aprendizados adquiridos por mim ao longo de anos como diretor de cinema, televisão e teatro. Nesse aprendizado lidamos com as emoções dos seres humanos e suas infinitas possibilidades de criar novas mentalidades e convicções. A ideia é transformar o filme da vida de pessoas comuns, a partir do momento em que aprendem como lidar com seus pensamentos e sentimentos, viver uma nova história de vida. Uma história de vida extraordinária. Fazer do filme de suas vidas uma verdadeira obra-prima.
De ator a diretor de TV, passando a cineasta de sucesso, o que você adquiriu de mais sólido em sua trajetória nas artes?
Pedro Vasconcelos:
O que mais eu adquiri, em mais de trinta anos de carreira, foi justamente o conhecimento de como funciona um ser humano. O entendimento de que nossas emoções nos ligam a tudo. Viver é sentir. Cada obra realizada é uma oportunidade para quem assiste de conhecer e experienciar um pouco mais sobre suas próprias emoções.
Quais são seus planos para o cinema em 2022 e 2023? O que o espaço do streaming te oferece hoje? Atuar ainda é um caminho para você? Como?
Pedro Vasconcelos:
Começo a rodar no mês que vem um filme sobre a vida do quadrinista Mauricio de Sousa. Estou ainda trabalhando no roteiro de “Fala Sério, Mãe 2”. E sobre o streaming, acredito que ele seja uma nova oportunidade para todos. Tanto que estou abrindo esse ano o meu próprio canal, para distribuir projetos feitos com recursos próprios para o grande público. Atualmente, não vislumbro a possibilidade de voltar a atuar. Mas a vida sempre surpreende, não é mesmo? Quem sabe? Não descarto nada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.