Oscars pra Bong Joon-ho

Oscars pra Bong Joon-ho

Rodrigo Fonseca

10 de fevereiro de 2020 | 02h32

Rodrigo Fonseca
Ao antecipar sua festa anual do fim de fevereiro (ou início de março) para o início do mês (dia 9/2), a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood deixou no ar a hipótese de que o Oscar traria surpresas… e trouxe: a Coreia do Sul fez História, com H. Dono da Palma de Ouro de 2019 e cevado no gosto popular com uma bilheteria estimada em US$ 165 milhões, “Parasita” deu quatro Oscars a seu país, coroando o cineasta Bong Joon-ho (ou Joon Ho), hoje com 50 anos. A casa vitória ele falava em encher a cara. E foi fofo ao falar de seus rivais, lembrando que Martin Scorsese é seu pastor e que Quentin Tarantino sempre o incluiu em sua lista de melhores do ano. Sua comédia torta foi vencedora do Oscar de melhor filme, mesmo sendo um longa-metragem de língua não inglesa. Foi laureado ainda com as estatuetas de melhor direção, roteiro e filme internacional. O enredo acompanha as armações de uma família de trambiqueiros da mais baixa classes social para se aboletar na mansão de um casal rico, expulsando os antigos empregados do casarão e assumindo os cargos e salários da casa para si, o que terá trágica consequência. Neste momento em que toda a indústria do audiovisual americano, justificada pela peleja em prol da diversidade cultural, luta para ampliar o espaço para protagonistas asiáticos (vide o atual projeto do Marvel Studios: a aventura “Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings”), a consagração de “Gisaengchung” (é o título original do longa de Bong) é um gesto estratégico.

Tudo o que sabemos sobre:

OscarsParasitaBong Joon Ho

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.