Os vencedores da Berlinale 2020

Os vencedores da Berlinale 2020

Rodrigo Fonseca

29 de fevereiro de 2020 | 16h11

Urso de Ouro: “There is no evil”, de Mohammad Rasoulof

Urso de Ouro: “There Is No Evil” (Irã)

(Irã)
Grande Prêmio do Júri: “Never Rarely Sometimes Always”, de Eliza Hittman (EUA)
Prêmio do 70º Festival de Berlim: “Effacer L’Historique”, de Benoît Delépine e Gustave Kervern (França)
Direção: Hong Sangsoo, por “The Woman Who Ran” (Coreia do Sul)
Atriz: Paula Beer, por “Undine” (Alemanha)
Ator: Elio Germano, por “Volevo Nascondermi” (Itália)
Roteiro: Fabio e Damiano D’Innocenzo, por “Favolecce” (Itália)
Contribuição artística: Jürgen Jürges, pela fotografia de “Dau. Natasha” (Rússia)
Prêmio Glshütte de Melhor Documentário: “Irradiés”, de Rithy Panh (Camboja/ França), com menção honrosa para “Notes From The Underground”, de Tizza Covi e Rainer Frimmel (Alemanha)
Urso de Ouro de Curta-metragem: “T”, de Keisha Rae Witherspoon (EUA)
Prêmio do Júri de Curta-metragem: “Filipiñana”, de Rafael Manuel (Filipinas)
Prêmio Audi de Curtas: “Genius Loci”, de Adrien Mérigeau (França)
Melhor longa-metragem de estreia: “Los Conductos”, de Camilo Restrepo (Colômbia/ Brasil), com menção honrosa pra “Naked animals”, de Melanie Waelde (Alemanha)
Prêmio da Crítica (Fipresci): “Undine”, de Chtistian Petzold
Competição Encounters
Melhor filme: “The Works and Daysn(of Tayoko Shiojiri In The Shiotani Basin”, de C. W. Winter e Anders Edström (EUA/ Suécia/ Japão)
Prêmio do Júri: “The Trouble Of Being Born”, de Sandra Wollner (Áustria)
Direção: Cristi Puiu, por “Malmkrog” (Romênia)
Menção honrosa: “Isabella”, de Matías Piñeiro (Argentina)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: