Os melhores momentos do cinema em 2016

Os melhores momentos do cinema em 2016

Rodrigo Fonseca

29 Dezembro 2016 | 10h36

“Invocação do Mal 2”: esplendor da técnica


RODRIGO FONSECA
Dizem os estudiosos dos orixás que 7 é o número que mais (e melhor) representa a sorte. E esse poder de bons augúrios se estende a seus múltiplos diretos, tipo 14 ou 21, que foi a quantia usada na lista abaixo, com os melhores momentos do ano nas telas. Mas há um filme dessa lista que merece uma especial atenção, por ter sido a maior experiência theatrical – ou seja, a sinestesia coletiva que só um filme talhado para ser um espetáculo de massas produz – de 2016 foi Invocação do Mal 2, de James Wan. Num domínio pleno e absoluto das cartilhas do horror, a história do casal Warren (Vera Farmiga e Patrick Wilson), dois investigadores do sobrenatural, é mais do que uma obra-prima do gênero: ela é um indício do grande cineasta que Wan pode se tornar, no exercício sem tabus da técnica.
Agora, eis a lista dos melhores do ano, em ordem de grandeza:

1) O Regresso, de Alejandro González Iñárritu;

2) Juventude, de Paolo Sorrentino;

3) O Cavalo de Turim, de Béla Tarr;

4) Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino;

5) Boi Neon, de Gabriel Mascaro;

6) Invocação do Mal 2, de James Wan;

7) Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba;

8) Julieta, de Pedro Almodóvar;

9) Creed – Nascido Para Lutar, de Ryan Coogler;

10) Elle, de Paul Verhoeven;

11) Batman Vs. Superman, de Zack Snyder;

12) A Chegada, de Denis Villeneuve

13) Rogue One: Uma História Star Wars, de Gareth Edwards, Aquarius, de Kleber Mendonça Filho;

14) Carol, de Todd Haynes;

15) O Roubo da Taça, de Caito Ortiz;

16) Estados Unidos pelo Amor, de Tomasz Wasilewski;

17) A Grande Aposta, de Adam McKay;

18) Invasão Zumbi, de Yeon Sang-ho

19) A Comunidade, de Thomas Vinterberg;

20) Deadpool, de Tim Miller;

21) Zootopia, de Byron Howard, Rich Moore e Jared Bush

22) Cinema Novo, de Eryk Rocha;

23) A Bruxa, de Robert Eggers;

24) Cícero Dias, o Compadre de Picasso, de Vladimir Carvalho;

25) Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert.

As melhores sequências de 2016:

1) Darth Vader saciando sua sede de sangue em Rogue One – Uma História Star Wars;

2) Paulo Thiefenthaler tomando Toddy de guti-guti na Jules Rímet em O Roubo da Taça;

3) Harvey Keitel explicando a um jovem aspirante a cineasta o que é a velhice em Juventude.

4) Stallone dançando Wake Up Everybody para animar seu pupilo em Creed – Nascido para Lutar;

O pior filme de 2016:

A comédia argentina Roteiro de Casamento, de Juan Taratuto, seguido pela animação A Era do Gelo: O Big Bang.