‘Os Caras Malvados’: uma animação nota 1000

‘Os Caras Malvados’: uma animação nota 1000

Rodrigo Fonseca

19 de março de 2022 | 10h33

Rodrigo Fonseca
Primeira surpresa realmente significativa em termos dramatúrgicos na seara animada pop em 2022, muito mais vivo e ousado do que “Red: Crescer É Uma Fera”, o divertidíssimo “Os Caras Malvados” (“The Bad Guys”) registra o regresso da boa e velha Dreamworks (distribuída pela Universal Pictures) à seara da transgressão moral que passou a demarcar sua produção desde “FormiguinhaZ”, em 1998. Com “Shrek” (2001), sua grife alcançou a excelência, ao romper com códigos de bom-mocismo e oferecer ao público mirim a dissonância como regra. É o que se vê no primeiro longa-metragem do diretor Pierre Perifel, que integrou a equipe de “Kung Fu Panda” (2008) e rodou curtas como “Bilby” (2018) e “Le Building” (2005). Coube a ele levar às telonas uma versão audiovisual da coleção best-seller de livros infantis xará do filme escrita pelo australiano Aaron Blabey. Na trama, que patina pelo arame farpado da ética com uma atávica preocupação em debater a lealdade, uma quadrilha de animais ladinos liderados por Lobo (Sam Rockwell nos EUA; Rômulo Estrela no Brasil) passa por um processo de revisão de caráter ao provar do gostinho do que é fazer o Bem. Tudo começa com o plano de roubar um troféu chamado de Golfinho de Ouro das mãos da governadora, Diane Raposina, que aqui ganhou o gogó de Agatha Moreira, dublando Zazie Beetz. Entre mil trapaças, eles terão de provar que podem se regenerar. Mas o que parece ser um golpe acaba se tornando uma cruzada de justiça, mais ou menos como se dá em “Meu Malvado Favorito” (2010). Além da direção de arte impecável, o filme de Perifel surpreende por sequências de ação dignas de um bom filme de Van Damme dos anos 1990, montadas à velocidade da luz. E há personagens antológicos no grupo como o Sr. Cobra, muito bem dublado por Sérgio Guizé, que, esta semana, será visto ao lado de Cleo no delicioso “Me Tira Da Mira”. Ainda na joia animada da DreamWorks, tem Babu Santana dublando o Sr. Tubarão de modo hilário.

p.s.: Ao 12h30 deste domingo, a Globo exibe “Círculo de Fogo: A Revolta” (“Pacific Rim: Uprising”, 2018). Na trama, o jovem Jake Pentecost (John Boyega), órfão de um dos soldados que lutaram contra o levante de monstros do primeiro longa da franquia, junta-se à guerreira Mako Mori (Rinko Kikuchi) para liderar uma nova geração de pilotos para lutar contra uma nova ameaça Kaiju. No Brasil, Renan Freitas dubla Boyega.

p.s.2: Quem for ver “Vale Night” na telona vai se divertir a valer com o trabalho do ator Pedro Ottoni como Vini, um barbeiro que perde seu bebê em meio a uma festa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.