Olympia leva Nolan a Cannes

Olympia leva Nolan a Cannes

Rodrigo Fonseca

22 de maio de 2022 | 15h17

A mostra de Christopher Nolan no Olympia

RODRIGO FONSECA
Disponibilizado para o 75. Festival de Cannes, a ser usado como um polo de projeção extra para o Marché du Film, o cine de rua Olympia, tradicional complexo de salas na Croisette, aproveita a badalação em torno da disputa pela Palma de Ouro para promover uma homenagem ao diretor inglês Christopher Nolan. Em 2018, ele passou pelo evento para comentar a versão restaurada da sci-fi “2001 – Uma Odisseia no Espaço” (1968), de Stanley Kubrick. Falou dela e de sua obra, dando um gostinho do que viria a ser “Tenet” (2020). Há quem diga que, em 2023, ela possa abrir a 76. edição de Cannes com sua esperada biopic “Oppenheimer”, com Cillian Murphy. Dele, o Olympia vai exibir, nos diad 3 e 4 de junho, os sucessos “Batman – O Cavaleiro das Trevas” (2008) e seu cult maldito, o magistral “Interestelar” (2014). Vai ter o já citado “Tenet” de lambuja.

“Eu venho de uma escola noir, policial, no qual a ideia de melodrama entra para qualificar situações de sentimentos extremos. Meus personagens se revelam por suas ações”, disse Nolan à Croisette, há quatro anos. “No cinema, a música tem um papel crucial: trilha funciona como um relógio que dita o ritmo dos acontecimentos”.

“Holy Spider”, de Ali Abassi

Cannes termima no dia 28, com a entrega da Palma dourada e dos demais prêmios, que serão decididos por um júri presidido pelo ator francês Vincent Lindon. Neste domingo, um caminhão audiovisual com placa do Irã bateu de frente com a competição: o thriller “Holy Spider”, de Ali Abbasi. É quase um filme de terror de tão assutador. O que dá medo é a figura de um psicopata feminicida, Saeed (Mehdi Bajestani), que mata profissionais do sexo das ruas da cidade de Mashhad, estrangulando-as. Mais assustador ainda é a cultura sexista que o ampara. Mas uma jornalista vai debelar sua rotina de crimes. A repórter, Rahimi, é vivida de maneira devastadora por Zar Amir Ebrahimi. É a melhor interpretação feminina até agora. Ali Abassi ficou conhecido aqui por “Border”, um dos sucessos da mostra Un Certain Regard de 2018.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.