‘O Valor De Um Homem’: pérola em DVD

‘O Valor De Um Homem’: pérola em DVD

Rodrigo Fonseca

06 de abril de 2020 | 20h24

Rodrigo Fonseca
Depois de um oceano de pedidos nas redes sociais, inundando e-mails e posts com pedidos pela volta das mídias físicas de filmes, a Imovision volta a disponibilizar seu acervo em DVD, iniciando seu empório virtual (www.loja.imovision.com.br) com produções que fizeram a festa dos maiores festivais de cinema do mundo, como “O Valor de um Homem” (“La Loi Du Marché”, 2015). Dá pra comprar essa gema de tônus gramsciano por 15 merréis. Encarado como “o” longa-metragem político de 2015, por sua percepção de que “Poder” é sinônimo de “Dinheiro” e “Governo” é igual a “Economia”, esse farpado longa-metragem de Stéphane Brizé (de “Em Guerra”) é de doer na alma, por sua acuidade na denúncia de novas técnicas de exclusão. Nas bilheterias, ele chegou à marca de 836 mil ingressos vendidos em seu país de origem. Seu sucesso se deve à acuidade de seu retrato para a moléstia financeira que varre o Velho Mundo, ferindo sobretudo a saúde moral de quem já está na casa dos 50 anos e se vê uma peça descartada pelas engrenagens do Capital.
Sem jamais escorregar no melodrama, mantendo temperatura e pressão fora das condições normais, na fronteira com o suspense, o diretor do subestimado “Entre Adultos” (2009) e de “Uma Primavera com Minha Mãe” (2012) faz do calvário ético e financeiro de um cinquentão desempregado seu espaço de observação (em 360 graus) do desamparo social numa França em rota de colisão com a recessão. Seu protagonista, Vincent Lindon, foi indicado ao prêmio de melhor ator no European Film Awards, por um mérito inquestionável e também pelo fato de ter conquistado a láurea de melhor atuação masculina no Festival de Cannes. A consagração definitiva da produção veio com um artigo na “Cahiers du Cinéma” que dá uma distinção a Brizé como sendo um herdeiro da tradição politizada de Costa-Gavras e Francesco Rosi. Na trama, Lindon é Thierry, chefe de família com uma ficha corrida de elogios como bom profissional mas que, ao chegar aos 50 anos, encontra-se sem emprego.
Para sair das dificuldades financeiras e garantir sustento à mulher e ao filho, que é portador de necessidades especiais, ele se submete a um emprego de baixa remuneração em um hipermercado. Lá, Thierry vai conhecer as diferentes formas de humilhação que a exclusão financeira pode produzir. “É uma condição da Europa hoje: o medo da escassez financeira”, disse Lindon em Cannes no ato de sua vitória, coroando uma atuação de contenções. Mestre na arte de represar excessos, como visto em sua recente parceria com Benoît Jacquot (“O Último Amor de Casanova”), Claire Denis (“Bastardos”) e Alain Cavalier (“Pater”), Lindon sacrifica seu status de galã maduro compondo um tipo nas franjas do patético, que ainda estima seu caráter em valores que não podem ser comprados no atacado ou no varejo.

No perolário de DVDs da Imovision (www.loja.imovision.com.br) onde “O Valor de Um Homem” é joia fina, tem uma leva de filmes nacionais icônicos em Blu-Ray por R$50,00, como “Boi Neon”, “Aquarius” e “Tatuagem”. Há ainda grandes sucessos (de Michael Haneke a Ken Loach) a 30 merréis, como “45 anos”, “A Criança”, “Uma Mulher Fantástica”, “Amor”, “Adeus à Linguagem”; “Baile Perfumado”, “Eu Não Sou Seu Negro”, “Eu, Daniel Blake”, “Gloria” e o premiado “Hoje eu Quero Voltar Sozinho”. Há, também, pôsteres oficiais do lançamento dos filmes nos cinemas. Os cartazes estão disponíveis para aqueles que adoram ter os filmes favoritos como objeto de decoração, com 50% de desconto, em promoção de inauguração.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: