‘O Senhor dos Anéis’: saudade a-live 4ever

‘O Senhor dos Anéis’: saudade a-live 4ever

Rodrigo Fonseca

31 de maio de 2020 | 11h04

Rodrigo Fonseca #FiqueEmCasa
Tem live de “O Senhor dos Anéis” neste domingo, sintonizada com a transposição daquele universo da Terra-Média para a Amazon Prime, numa série de 20 episódios que terá J.A. Bayona (de “O Orfanato”) entre seus diretores. E essa live, promovida via YouTube pelo ator Josh Gad, em seu obrigatório canal “Reunited Apart”, evoca o passado. Em 1995, após uma partida de “Dungeons & Dragons” (“D&D”) promovida lá em Bonsucesso, no Morro do Adeus, pelo hoje professor de Literatura Diogo de Oliveira Mendes, o P de Pop foi introduzido a um mundo muito particular da cultura nerd, chamado role-playing game, ou apenas RPG. Ali, de 1995 a 1997, entre tardes que pareciam não ter fim, o hoje advogado Pierre Pontes Gaudioso; o analista do IBGE e jornalista Fábio Paladino Jardim; o expert em TI George Paiva Ramos; o já citado Diogo; a assessora do MP Luciana da Silva Little Fox de Castro; alguns e algumas outras/os que iam e vinham; e este que vos tecla derrotaram orcs, lançaram dardos místicos, erraram o alvo da pedra de suas fundas e macetaram mil estratégias. Mago da turma, George, na maioria das vezes, transformava-se em criaturas de mau agouro, sabe-se lá por quê. Fábio, ladino garboso, sempre foi o combustível de humor e de perseverança naquelas missões em que a gente brincava de ser família – e até hoje o é, com seu coração GG, que faz jus à tradição da cavalaria. Jogávamos entre dados de múltiplas faces, dragões de todas as espécies e perigos de capa e espada que encontraram uma encarnação de poesia quando Peter Robert Jackson lançou “The Lord of The Rings”. O cinema, então afogado no trauma do 11 de Setembro, parecia ter se transformado em uma grande campanha de “D&D” de 2001 – quando estreou a primeira parte da trilogia inspirada nos livros lançados de 1954 a 55 por J.R.R. (John Ronald Reuel) Tolkien (1892-1973) – a 2003, quando veio “O Retorno do Rei”, a obra-prima dessa adaptação. Orçada em US$ 281 milhões, a saga, manufaturada sob a produção da New Line, conquistou 17 Oscars e faturou US$ 2,9 bilhões. Essa campanha de sucesso será revivida nesta tarde, às 13h do Brasil (4h na Nova Zelândia, lar de Jackson), por Josh, ao juntar Jackson e resto do elenco, com sir Ian McKellen (o genial ator que quase perdeu para Morgan Freeman o papel do mago Gandalf), Liv Tyler (a elfa Arwen), Sean Astin (o pimpão Sam), Miranda Otto (a destemida Eowyn) e Elijah Wood, o eterno Frodo. O resto da trupe estará lá também. Entre eles vai estar o grande achado de PJ na escalação do elenco: Viggo Mortensen, o guerreiro Aragorn, que estreou na direção este ano, no Festival de Sundance, com “Falling” – promessa de excelência. No papo deste domingão, com JGad, teremos muita saudade e uma chance de propor uma revisão crítica de um dos maiores fenômenos da cultura pop dos anos 1950 aos anos 2000, chegando aos 2010 na forma de “O Hobbit”, uma trinca menor de longas, porém não menos digna de carinho. É importante que se diga, hoje, que “O Retorno do Rei” é, sem dúvida, um dos melhores e mais autorais exercícios do uso da cartilha cinematográfica já feito. Em paralelo à projeção desse bate-papo online, vale, uma conferida no livro “A Amizade em O Senhor dos Anéis”, de Cristina Casagrande, pesquisa acadêmica de cunho filosófico editado pela Martin Claret em 2018, com seu preciso ensaio sobre “conexões”, “lealdades” e “permanências”. São três palavras essenciais que, nesta manhã de espera, o P de Pop converte num abraço apertado no amigo Pierre, para lembrar que certas magias, como a paternidade, são eternas e brilham lá no Céu.

p.s.: Nesta segunda, às 22h10, rola “Guardiões da Galáxia – Volume 2” na “Tela Quente” com uma estonteante participação de Sylvester Stallone como o mercenário Stakar. No Brasil, Luiz Feier dubla o eterno Rocky Balboa.

p.s.2: É aniversário de Clint Eastwood neste domingo: 90 anos. O Telecine Cult começa às 12h uma maratona em tributo a ele, “Parabéns, Clintão”, com a “Trilogia dos Dólares”, de Sergio Leone. Na Globo, às 22h20, o “Domingo Maior” ataca de “Sniper Americano” (2014), dirigido por ele e estrelado por Bradley Cooper.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: