O que há de imperdível no Varilux neste fim de semana

O que há de imperdível no Varilux neste fim de semana

Rodrigo Fonseca

16 de junho de 2017 | 10h25

“Tour de France”; Gérard Depardieu é um pintor às voltas com um rapper rebelde

RODRIGO FONSECA
Maior vitrine do cinema francês em solo latino-americano, o Festival Varilux entra em sua segunda semana nesta sua edição de 2017. Veja o que não se pode perder de jeito algum nas sessões deste fim de semana – aqui no ladinho carioca da festa cinéfila organizada por Christian Boudier:

Sexta
Tour de France: Numa inspiradíssima atuação, Gérard Depardieu contracena com o rapper Sadek, numa saga sobre os efeitos da xenofobia na França. Sadek vive o músico Far’Hook, que é obrigado a sumir de Paris por conta de uma rixa que pode custar sua vida. Seu produtor é filho de um aposentado apaixonado por pintura, o aspirante a artista plástico Serge (papel de Gérard) que vive no interior e que pode proteger o rapaz. Juntos, os dois vão ter que superar sua diferenças. Onde: no Espaço Itaú, às 20h45 e no Cine Santa, às 21h. E repete no sábado, às 14h40, no Cinestar Laura Alvim, e às 21h30, no Cinesystem Américas Shopping.

 Sábado

Rock’n’Roll – Por Trás da Fama: Aclamado como galã e cineasta, Guillaume Canet (de Meu Ídolo) faz um exercício delicioso de metalinguagem no papel de si mesmo. Na trama, ele entra em crise ao receber uma crítica e decide mudar sua vida, causando assombro em seus amigos e em sua mulher (também na vida real), a atriz Marion Cotillard.

Onde: no Cinemark Downtown, às 18h45, e no Estação Ipanema, às 21h20.

“Rodin”: diretamente de Cannes para a seleta do Varilux

Rodin: Jacques Doillon, um poeta da luz entre os diretores franceses consagrados nos anos 1970 e 80, voltou em sua melhor forma neste drama histórico já em cartaz em seu país de origem, lotando sessões. Este charmoso longa-metragem do realizador de Ponette (1996) revive momentos cruciais da criação artística de um dos maiores nomes da Escultura, François-Auguste-René Rodin (1840-1917), sintonizado com o centenário de sua morte. Construído a partir de uma fotografia requintada, sempre econômica no uso do chiaroscuro, a fim de poder traduzir o lado mais sombrio do artista por trás de escultoras como O Pensador, o filme tem como protagonista o aclamado ator Vincent Lindon (premiado na Croisette em 2015 por O Valor de um Homem). A trama inclui a relação do artista plástico com a colega Camille Claudel (Izïa Higelin).

Onde: no Estação Ipanema, às 18h50, com reprise no domingo, no Espaço Itaú, às 20h50

Domingo

Frantz: Um dos maiores campeões de bilheteria da Europa, François Ozon nos delicia com o preto e branco numa história de desencontros entre uma alemã que perdeu o noivo nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial e um músico francês rico que parece ter conhecido o finado. Onde: no Estação Ipanema, às 20h55.

 

O realizador do cult “Um Estranho no Lago” brinca entre pastores e lobos com “Na Vertical”: sexo e metáforas

E durante a semana, não perca, nesta terça:

Na Vertical: Indicado à Palma de Ouro, o novo filme de Alain Guiraudie acompanha as confusões afetivas e metafóricas vividas por um diretor de cinema bissexual que acaba tendo um filho com uma aldeã enquanto busca se aproximar de um rapaz. Onde: no Odeon, 20h40