O erotismo de Wayne Wang esquenta Berlim

O erotismo de Wayne Wang esquenta Berlim

Rodrigo Fonseca

16 de fevereiro de 2016 | 08h47

Takeshi Kitano estrela While women are sleeping

Takeshi Kitano estrela While women are sleeping

Conhecido dos brasileiros por filmes como Cortina de Fumaça (1995), o diretor chinês de Hong Kong Wayne Wang há tempos não apresentava um filme à altura do talento provocativo que o consagrou nos anos 1990 e que parece ter voltado à ativa em While Women Are Sleeping, um dos achados da Berlinale 66. Com base em um conto de Javier Marias, recriado na tela grande com uma sensualidade contagiante, a produção se ambienta em solo japonês e tem como ator principal – numa atuação devastadora – o cineasta e apresentador de TV Takeshi Kitano. A trama acompanha a jornada investigativa de Kenji (Hidetoshi Nishijima), um escritor em crise, à cata de inspiração, que, de passagem por um resort, acredita ter encontrado um pote de ouro literário ao conhecer o misterioso sexagenário Sahara (Kitano). O motivo: Sahara tem um caso de amor com uma jovem de 19 anos, a quem ele filma todas as noites. O conteúdo dessas filmagens envolve uma patologia amorosa que conduz o longa-metragem à estrada da loucura. Wang entrou no Festival de Berlim 2016 na seção Panorama. Mas sua excelência na direção e o desempenho de Kitano mereciam um espaço na competição oficial, que anda coalhada de filmes mixurucas. A China mesmo trouxe para a briga pelo Urso de Ouro um representante medíocre, Crosscurrent, de Yang Chao, credenciado para concorrer apenas pelo exibicionismo de jargões do cinema independente.
Nesta terça, a Berlinale recebe o único candidato da América Latina, de longa metragem, ao Urso: o mexicano Soy Nero, do diretor de origem iraniana Rafi Pitts (de Separados pelo Inverno). Nele, um rapaz de 17 anos tenta cruzar a fronteira entre o México e os EUA para rever seu irmão e se alistar no Exército. Mas um mar de mentiras vai afogá-lo.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.