‘Nomadland’ leva o Leão de Ouro de 2020

‘Nomadland’ leva o Leão de Ouro de 2020

Rodrigo Fonseca

12 de setembro de 2020 | 15h53

“Nomadland”: triagem das cicatrizes americanas

Rodrigo Fonseca
Sob as névoas da Covid-19, Veneza peitou a resistência de eventos presenciais, realizou sua 77ª edição in loco e coroou “Nomadland”, da chinesa radicada nos EUA Chloé Zhao, com o Leão de Ouro de 2020, neste sábado. Produzido e estrelado por Frances McDormand, o longa-metragem narra a jornada de uma mulher por uma América assolada pelas cicatrizes do governo Trump. É um dos títulos mais badalados da contemporaneidade, por sua visão dos Estados Unidos hoje, e Cate Blanchett, presidente do júri, considerou esse olhar de Chloé uma reflexão essencial para se entender as ruínas morais da atualidade. Antenada com tendências temáticas da arte dos últimos anos, Cate ainda coroou a aposta do mexicano no formato distopia em “Nuevo Orden”, dando ao realizador de “Chronic” (2015) o Grande Prêmio do Júri. Os jurados deram ainda um prêmio especial para “Dear Comrades”, do russo Andrey Konchalovskiy.
Vanessa Kirby, atriz inglesa cultuada por seu trabalho como princesa Margaret em “The Crown”, conquistou a Copa Volpi de melhor atriz por “Pieces of a Woman”. Sua interpretação levou o Lido às lágrimas no papel de uma mulher às voltas com o luto. Que bonito foi ver Pierfrancesco Favina, astro da coprodução ítalo-brasileira “Traidor” (2019), de Marco Bellocchio, ser laureado em Veneza por sua atuação em “Padrenostro”.
Para receber o troféu de direção, Cate convocou o japonês Kiyoshi Kurosawa, um artesão do suspense, da sci-fi e do terror na Ásia. Seu novo trabalho, “Wife of a Spy”, é centrado nos bastidores do Japão da II Guerra, a partir de uma intriga de espionagem. A vitória dele consagra uma estética pautada pela precisão narrativa.

“Nuevo Orden”: Grande Prêmio do Júri de Veneza para a América Latina, via México

Na seção Horizontes, a vitória ficou com o Irã, para “The Wasteland”, de Ahmad Bahrami. Nessa mostra, contudo, o ímã de prêmios veio de Portugal: “Listen”, sobre imigrantes ibéricos no Reino Unido, rendeu à cineasta Ana Rocha de Sousa o Leão do Futuro e o Grande Prêmio do Júri da Orizzonti.

Lista de premiados do Lido:
Leão de Ouro: “Nomadlad”, de Chloé Zhao
Grande Prêmio do Júri: “Nueve Orden”, de Michel Franco
Prêmio Especial do Júri: “Dear Comrades”, de Andrey Konchalovskiy
Direção: Kiyoshi Kurosawa, por “Wife os a Spy”
Atriz: Vanessa Kirby, por “Pieces of a Woman”
Ator: Pierfrancesco Favina, por “Padrenostro”
Roteiro: Chaitanya Tamhane, por “The Disciple”
Troféu Marcello Mastroianni de Melhor Estreante: Rouhollah Zaani, em “Sun Children”
Prêmio da Crítica – Fipresci: “The Disciple”, de Chaitanya Tamhane
Melhor filme da Orizzonti: “The Wasteland”, de Ahmad Bahrami
Leão do Futuro: “Listen”, de Ana Rocha de Sousa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: