Mostra Filmes Domésticos: arqueologia de afetos

Mostra Filmes Domésticos: arqueologia de afetos

Rodrigo Fonseca

27 de março de 2021 | 12h19

Registros do regresso de Caetano Veloso à Santo Amaro após o exílio integram a mostra organizada por Débora Butruce

RODRIGO FONSECA
Filmagens feitas por Paula Gaitán em Sintra, Portugal, e registros em Super-8 do retorno de Caetano Veloso à cidade de Santo Amaro, na Bahia, após o período de exílio do artista em Londres, na Inglaterra, são tesouros que tornam a mostra online Filmes Domésticos um marco entre as retrospectivas digitais feitas nestes tempos de pandemia. É, disparadamente, a mostra mais original da web. Sua programação pode ser acessada gratuitamente na plataforma TodesPlay . Uma das pérolas é uma montagem de 1993 com filmagens feitas por Alice de Andrade nas cidades de Arraial do Cabo, Rio de Janeiro, Ouro Preto e Salvador. Até domingo, serão exibidos este e outros 93 filmes de diferentes épocas, países e formatos, realizados dos anos 1900 até início dos anos 1990, que registram atividades familiares, férias, viagens, passeios ou eventos especiais, e que são destinados, sobretudo, à esfera privada, para serem vistos entre a família e os amigos. A programação levantada e organizada sob a curadoria da pesquisadora Débora Butruce pode ser acessada por meio da URL http://www.filmesdomesticos.com.br/. Tem filmes brasileiros e produções egressas do Chile, Espanha, Estados Unidos, Itália e Peru. Os títulos foram divididos em seções temáticas: Família; Pessoas e lugares; Local e mundial; Artistas brasileiros; Artista brasileiro em foco; Curadoria convidada; Personalidades; e Arquivos em foco. Tem filme do Lucio Costa da família Melo Franco e uma série de cliques da Europa feitos pelo fotógrafo e artista plástico Mário Carneiro. Merece especial atenção o curta experimental “Dádiva”, de Evelyn Santos, filmado em 2020, em meio à pandemia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.