Momento maldito de Sean Penn no Prime

Momento maldito de Sean Penn no Prime

Rodrigo Fonseca

08 de junho de 2020 | 10h07

Rodrigo Fonseca – #FiqueEmCasa
Visto regularmente no Telecine, ao lado de Mel Gibson, em “O Médico e o Louco” (2019), Sean Justin Penn vai completar 60 anos no dia 17 de agosto, envolvido na direção de um projeto em família: “Flag Day”, com seus filhos, Dylan e Hopper. Ele entra em cena na pele de um vigarista com problemas com sua filhota. Recentemente, o Globoplay trouxe para o Brasil um de seus melhores trabalhos: a série “The First: Viagem a Marte”, sobre um desastre em uma corrida espacial. Mas, no ambiente do streaming, uma das pedidas mais obrigatórias ligadas ao ator (laureado com o Oscar por “Milk” e por “Sobre Meninos e Lobos”) e realizador está na Amazon Prime: “The Last Face – A Última Fronteira” (2016). Trata-se do mais recente experimento de Penn como cineasta, rejeitado em massa pelo planisfério cinéfilo. É difícil imaginar que um somatório de grifes tão forte quanto a junção de Penn (no posto de diretor), Charlize Theron (então namorada dele) e Javier Bardem pudesse resultar num filme que o circuito exibidor repudiasse, sem direito a uma vaga para estrear comercialmente aqui. Porém, esse drama de ecos bélicos, sobre médicos que atuam em campos de batalha, é a prova de que, na indústria cinematográfica, o improvável pode se tornar possível, sobretudo à força de vaias. Vaiado em sua projeção no Festival de Cannes, há quatro anos, em disputa pela Palma de Ouro, o longa-metragem foi condenado ao esquecimento, uma vez que sua estreia foi vetada em diversos países – incluindo o Brasil – sob a suspeita de se tratar de uma bomba. Mas há uma dimensão de encantamento nessa narrativa, que se passa majoritariamente em terreno africano.
“Tentamos retratar a realidade nas zonas de guerra da África, trabalhando com muitos figurantes. A ideia era retratar os horrores da violência”, disse Penn ao P de Pop, ao fim da exibição da produção na Croisette. “Eu tentei eliminar qualquer traço de super-herói que pudesse cercar os médicos: são pessoas normais, sujeitas a falhas, a dúvidas. Mas há um empenho humanista que precisa ser retratado”.

Em seu quinto longa-metragem como realizador, Penn, que já dirigiu cults como “Acerto final” (1995) e “Na Natureza Selvagem” (2007), narra o romance entre dois voluntários dos Médicos Sem Fronteiras em um ambiente de aspereza. Seus protagonistas são os doutores Wren (Charlize) e Miguel (Bardem), que ensaiam uma paixão em meio ao combate. O roteiro é pautado por um debate sobre o bem-estar dos refugiados da África, que se mistura à love story entre Wren e Miguel na Libéria, em meio a um sangrento conflito. Em Cannes, houve um ataque violento à analogia (incompatível), proposta por Penn, entre os efeitos da guerra e as dores do amor. Essa foi a frase de abertura do longa.
“Existe aqui um empenho em debater o assistencialismo por quem se expõe ao perigo”, diz Penn. “Não há glorificação na guerra”.

p.s.: Hoje, às 14h50, na “Sessão da Tarde”, a TV Globo exibe o fofíssimo “Compramos um zoológico” (“We Bought a Zoo”), lançado por Cameron Crowe em 2011, com desempenhos impecáveis de Scarlett Johansson e Matt Damon. Na trama, o viúvo Benjamin (Damon, dublado por Felipe Grinnan) se muda com seus rebentos para um terreno onde funciona um abrigo animal decadente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: