Madrugada de Adam Sandler cult no ‘Supercine’

Madrugada de Adam Sandler cult no ‘Supercine’

Rodrigo Fonseca

30 de abril de 2022 | 11h55

Dublado no Brasil pelo colossal Alexandre Moreno, Adam Sandler se reinventa em “Tá Rindo Do Quê?” (“Funny People”, 2009), que a TV Globo exibe nesta madrugada

RODRIGO FONSECA
Arrebanhando novos fãs, agora na streaminguesfera, com “A Bolha” (“The Bubble”), na Netflix, Judd Apatow, um dos mais sólidos pilares da comédia americana pós-moderna, famoso como diretor por “O Virgem de 40 Anos” (2005), vai iluminar o “Supercine” desta madrugada com seu estilo singular de construção de crônicas de costumes e painéis comportamentais. À 0h20, a TV Globo transmite seu “Tá Rindo Do Quê?” (“Funny People”, 2009), dramédia que arranca de Adam Sandler uma de suas mais inspiradas atuações, reforçada, no Brasil, pela dublagem de um colosso da voz chamado Alexandre Moreno. Inédito em circuito no Brasil, o filme custou caro (US$ 75 milhões) e nunca chegou a se pagar (faturou US$ 71 milhões mundialmente), por conta de sua ousadia em subverter as fórmulas do riso frouxo e a persona de Sandler. Ocupado agora com a finalização do .doc “George Carlin’s American Dream”, Apatow é amigo e colega do astro de “Como Se Fosse a Primeira Vez” (2004) desde a juventude, e usa sua intimidade com ele para desconstruí-lo, apoiando-se na presença de seu ator xodó, o bamba Seth Rogen, e de sua mulher e parceria, Leslie Mann, impecável em cena.
Na trama de “Tá Rindo Do Quê?”, um contido Sandler vive o bem-sucedido George Simmons, um popular (mas intragável) comediante que descobre estar morrendo de uma doença sanguínea incurável. Devido a ela, George tem apenas mais um ano de vida. No meio de seu calvário, ele encontra Ira Wright (Rogen, dublado por Luiz Laffey), um aspirante a humorista de stand up em ascensão, que tem dificuldades em dissociar seus personagens dele próprio. George e Ira têm uma característica em comum: não possuem amigos próximos, sofrendo de uma anacrônica inabilidade social. Uma noite, eles se conhecem, em meio a apresentações num clube do riso. Encantado com o talento do rapaz, George contrata Ira para ser seu assistente pessoal, abrindo seus shows. Logo, eles se tornam amigos, com George ensinando a Ira como conduzir o público do palco e Ira ajudando-o a reinventar seu legado. Mas, nessa cooperação, George reencontra um amor do passado Laura (Leslie, dublada por Adriana Pissardini) e ensaia uma correção de seus erros de outrora. O resultado é um espetáculo de gargalhada, pranto e de inspiradas tiradas de Sandler.

O diretor Judd Apatow

Acerca de “A Bolha”, que anda pela grande N…: nela, Apatow retoma sua vertente de cineasta ao narrar as confusões de um grupo de atrizes e atores cheios de faniquitos, que estão presos dentro de uma zona de confinamento pandêmica em um hotel, em meio às filmagens de um longa sobre dinossauros voadores. Badalado na Disney + sob o elmo do Mandaloriano, Pedro Pascal rouba todas as cenas dessa produção para si, apesar da carismática figura do eterno Fox Mulder, David Duchovny, estar também no elenco.
Falando de Globo, na tarde deste sábado rola “Indiana Jones e o Templo da Perdição” (1984), de Steven Spielberg, na emissora, às 14h, antes do “Caldeirão do Mion”.

p.s.: A turma do Flamiguinhos, criada com o objetivo de conectar as novas gerações com o time do Flamengo, estreia uma nova animação no Dia das Mães (8/5) no canal FLA TV, no Youtube (www.youtube.com/user/flamengo). O curta musical “Filho, quer saber?” conta uma história de amor familiar, senso de pertencimento e união guiada por uma música inédita composta por André Diniz.

p.s.2: Dando continuidade ao Projeto de Transmídia da obra em versos do poeta Carlos Cardoso, alguns poemas da antologia “Melancolia” – eleito, em 2019, o melhor livro de poesia da APCA, a Associação Paulista de Críticos de Artes – agora ganha leitura do casal Malu Mader e Tony Bellotto. Malu declama os poemas: “Hoje”, “Folhas secas”, “Não hoje”, “No seu olhar”, “O Passado” e “A Pedra no Carnaval”. As poesias “Frouxo”, “Ora” e “Para-raios” são recitadas por Bellotto. Outras estrofes desse livraço já foram recitados também pelos atores Othon Bastos, Patricia Pillar e Marco Ricca e estão no YouTube – Carlos Cardoso Oficial – e n’outras redes sociais. A leitura de Othon também foi exibida no Canal Curta!.

p.s.3: Invista R$ 24,90, sem medo algum de ser feliz, na edição nº2 da HQ “Fronteira Infinita”, da DC, que a Panini acaba de lançar, explorando a transformação do herói Arsenal (ex-Ricardito) num Lanterna Necromante. A participação do Presidente Superman eleva a tensão política do gibi.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.