Luc Besson em revista

Luc Besson em revista

Rodrigo Fonseca

30 de junho de 2020 | 11h56

Rodrigo Fonseca
Embora chamuscado pelo fracasso de “Valerian e a Cidade dos Mil Planetas” (2017), o francês Luc Besson continua sendo, aos 61 anos, um dos mais poderosos produtores do cinema internacional, tendo criado franquias como “Busca Implacável” e “Carga Explosiva”. No dia 4 de julho, às 20h, ele vai falar sobre sua obra – seja filmando, seja produzindo, seja criando polêmicas – em uma masterclasse do site Synergy Online, chamada “Living the Unreal”. Vai ser uma conversa sobre o empenho para se buscar um perfil industrial no cenário europeu, com base em narrativas de gênero. Besson começou sua carreira em 1981, com o curta “L’avant dernier”, e emplacou uma linhagem de (anti-)heroínas, começando por “Nikita: Criada para Matar” (1990). Ele consagrou atrizes como Anne Parillaud e Milla Jovovich. Presidente do Júri do Festival de Cannes de 2000, ele ainda deu à jovem Natalie Portman o papel que atraiu holofotes para seu já grande talento “O Profissional” (1994), seu primeiro trabalho de prestígio em língua inglesa. Besson lançou no ano passado o thriller “Anna: O Perigo Tem Nome”, com Sasha Luss. O filme está na grade do Amazon Prime.

Anna: O Perigo Tem Nome

Besson este ano tem na manga a continuação do fenômeno de bilheteria “Lucy” (2014), com Scarlett Johansson.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: