‘Lia lia’: Cintia Barreto é nota 10 em invenção

‘Lia lia’: Cintia Barreto é nota 10 em invenção

Rodrigo Fonseca

06 de outubro de 2020 | 10h25

Rodrigo Fonseca
Toda vez que termina suas aulas de pós, sejas que coordena, seja as que ministra (carregadas do lirismo de Adélia Prado e Elisa Lucinda, trovejando Drummond, Leminski e Castro Alves), Cintia Barreto saca o celular para uma foto. É uma forma de registrar inquietações adotada por uma das inquietas forças da natureza literária do Rio de Janeiro. Poeta, educadora e referência nacional em pesquisas de literatura infantojuvenil (sobretudo a de autoria feminina), Cintia tá sempre dando um jeito de aglutinar quem escreve, quem lê e quem semiologiza expressões do romance, do conto, do verso. Anda emendando uma live atrás da outra desde que a pandemia começou: a próxima será nesta quarta-feira, 18h30, com a aclamada escritora Kiusam de Oliveira. Para este domingo, às 14h, tem um papo online sobre Clarice Lispector. Seu Instagram conta tudo dos planos desta usina de literatices, que bota um bando de gente pra estudar no fim de semana em seus cursos de especialização recheados de cabeças que pensam sob o combustível de Joel Rufino dos Santos, Julia Kristeva, Roland Barthes e Cecília Meirelles – afinal, ecletismo é uma marca dela. Professora de Língua Portuguesa do Colégio Estadual André Maurois, no Leblon, CB vem abrindo frentes tanto no planisfério universitário quanto nas livrarias para oxigenar a arte da palavra e, em especial, o ofício de dialogar com quem ainda tem dente de leite. Semanalmente ela toca uma pós em narrativas infantis e juvenis na Universidade Cândido Mendes, hoje realizado na web, mobilizando estudantes do Brasil todo. Suas turmas festejam suas ideias e disputam sua atenção: “A Cintia prefere a Turma 1 à nossa”, mimimizam vozes carentes, que expandiram à força das provocações filosóficas defendidas pela professora, respeitada no mercado editorial por livros como “Mar em Mim”, ilustrado por Camilo Martins. Ao P de Pop ela antecipa que tem um presente à leitura preparado para este Dia das Crianças: na próxima segunda sai seu novo livro, “Lia lia”, já em pré-venda no http://sementeeditorial.com.br/livros/lia-lia/. Também com ilustrações de Camilo, esta brincadeira lírica mostra a importância das palavras na vida de uma criança. Trata-se de um metalivro que traz o ato de ler enquanto história. Parte-se da ampliação de sentidos de uma mesma palavra Lia (substantivo próprio) e lia (verbo). Com Cintia, brincar é aprender e aprender é brincar, num jogral de invenções. Obrigado, mestra, por resistir.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: